Províncias

Hospital Municipal de Cambulo é ampliado

Isidoro Samutula | Cambulo

O Hospital Municipal do Cambulo, na província da Lunda Norte, vai ser alvo, ainda este ano, de obras de ampliação, no sentido de melhorar a qualidade dos serviços e da assistência médica à população, anunciou ontem o director da instituição.

Vista parcial do Hospital Municipal do Cambulo que precisa com urgência de áreas para os serviços de cuidados intensivos e gerais
Fotografia: Benjamim Candido

António Pires disse que a decisão de se realizarem estas obras se deve ao facto do Hospital José Eduardo Nelumba necessitar de áreas para os serviços de cuidados intensivos e gerais, consultas externas, enfermarias para ortopedia e cirurgia, maternidade, com os sectores de neonatologia e tratamento de grávidas.A falta destes serviços tem feito com que muitos pacientes com patrologias diferentes e específicas sejam internados, muitas vezes, numa mesma área.
Neste momento, os responsáveis da unidade estão à espera da autorização da Administração Municipal do Cambulo, para dar início à empreitada.
O hospital tem 85 camas e conta com os serviços de banco de urgência, maternidade, pediatria, cirurgia, assistência materna infantil, medicina e ortopedia, assegurados por dez médicos de várias nacionalidades, sendo dois especialistas em ginecologia e igual número em pediatria, um de ortopedia, cirurgia, medicina interna, clínica geral, consultas pré-natais e maxilar facial.Além destes especialistas, tem ainda 58 enfermeiros, dos quais 27 efectivos, um número de técnicos considerado pequeno para fazer face às necessidades dos pacientes que acorrem à unidade de saúde. Este é, aliás, um dos principais problemas que é necessário resolver, tendo em conta os problemas verificados ao longo do seu funcionamento, explicou António Pires.
O hospital também tem falta de um imobilizador maxilar e de material de ortopedia, com realce para o equipamento de amputação, numa altura em que o município regista vários casos de acidentes de viação, com necessidade de mutilação imediata.Diariamente são realizadas, em média, 300 consultas, com uma taxa de internamento de 80 pacientes por dia. O paludismo continua a ser a doença mais frequente, principalmente em crianças.
Nos adultos, disse o director do hospital, o quadro patológico é diversificado, entre as doenças crónicas, com a tuberculose em destaque, seguida de insuficiência cardíaca, hipertensão arterial, malária cerebral e as doenças gastrointestinais. Dada a especificidade da doença, os pacientes com tuberculose são transferidos para o Hospital Sanatório do Sacavula, no município do Chitato.

Garantias do governo


Para avaliar o funcionamento da unidade hospitalar, o governador da Lunda Norte, Ernesto Muangala, visitou a instituição e garantiu que há verbas para apetrechar as casas dos médicos. Além disso, garantiu que “todas as preocupações destinadas a melhorar o funcionamento da unidade sanitária vão ser atendidas”.
A questão do abastecimento de água potável ao hospital já está resolvida, assim como está em curso o pagamento dos salários aos técnicos contratados para o sector. O governador da Lunda Norte adiantou que as autoridades vão continuar a dar a máxima atenção às unidades sanitárias da província e a melhorar as condições de vida dos técnicos, de modo a prestar um serviço de qualidade à população.Ernesto Muangala disse que o Hospital Municipal do Cambulo vai ter mais médicos de diferentes especialidades, para evitar que os pacientes deixem de se deslocar a outros municípios, como o do Chitato, em busca de melhor assistência. Na ocasião, o governador entregou medicamentos diversos ao hospital e uma viatura, para apoiar a direcção da unidade clínica.

Tempo

Multimédia