Províncias

Lunda-Norte está em festa

Joaquim Aguiar| Dundo

A província da Lunda-Norte está em festa. Hoje, 4 de Julho, comemora os 33 anos da sua fundação, numa altura em que é visível o índice de desenvolvimento em vários sectores da região, com a construção de várias infra-estruturas sociais e outras em fase de execução, no âmbito do programa de combate à fome e à pobreza do Executivo.   

As obras das novas centralidades no Dundo estão quase concluídas e outras em fase de execução no âmbito do programa do Executivo
Fotografia: Benjamim Cândido

A província da Lunda-Norte está em festa. Hoje, 4 de Julho, comemora os 33 anos da sua fundação, numa altura em que é visível o índice de desenvolvimento em vários sectores da região, com a construção de várias infra-estruturas sociais e outras em fase de execução, no âmbito do programa de combate à fome e à pobreza do Executivo.   
Este ano, o governo da província prestou maior atenção às questões económicas, com realce para a realização do fórum sobre o empreendedorismo e a constituição da associação de jovens empreendedores e empresários da Lunda-Norte.
As festas da província da Lunda-Norte, que se realizam desde 1988, contemplam também vários atractivos, como as galas de entrega do prémio de jornalismo e do concurso de beleza feminina "Miss Lunda-Norte". O programa reserva ainda actividades culturais e recreativas, com a presença de músicos da capital do país e locais.
Não é de estranhar, portanto, que a cidade do Dundo registe uma movimentação nunca vista, nos últimos dias. Centenas de turistas de vários pontos do país encontram-se nesta cidade para testemunhar e viver as alegrias da rica e prestigiada tradição Lunda Tchokwe, manifestada através da música folclórica e da dança tchianda, aquixi e maringa.
Os serviços de abastecimento de energia eléctrica, água e saneamento básico, foram convidados a redobrarem os seus horários de trabalho e a melhorarem a qualidade dos seus serviços, para garantir que a cidade apresenta uma imagem deslumbrante e convidativa aos visitantes.
O tradicional largo 1º de Maio foi o local escolhido pela organização para acolher os espectáculos, com a montagem de várias "barracas de comes e bebes". A maratona dançante preencheu o fim-de-semana e prossegue hoje, segunda-feira, dia proclamado feriado na província da Lunda-Norte.

Escola perto de casa

O governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, disse, à margem do encontro sobre empreendedorismo, que nos últimos 33 anos, a província tem dado passos significativos para garantir o desenvolvimento e modernização dos vários sectores da vida política, económica e social da região.
A título de exemplo, apontou o sector da educação que tem tido um desenvolvimento notável, e sublinhou que hoje em dia é possível garantir localmente a formação superior aos jovens sem que se desloquem para outras cidades do país.
"A implantação da universidade na província constitui um importante marco histórico entre o passado, presente e futuro, e um ponto de viragem da região e do seu povo, rumo ao progresso e desenvolvimento sustentável."
O ano de 2011 foi proclamado o da educação e ensino na província, e o governador, no seu discurso de fim de ano, lembrou que um homem instruído é dotado de valores éticos e morais e de capacidade no domínio da ciência e da tecnologia.
Foi assim que foram criados, a nível da província, a escola superior politécnica da Lunda-Norte, no município do Cuango, vila do Luzamba, cursos de licenciatura na Escola Superior Pedagógica e de mestrado em Ciências de Educação, em coordenação com as universidades estrangeiras.
Ainda este ano, prevê-se inserir maior número de crianças e adolescentes no sistema de ensino obrigatório e no ensino secundário, para eliminar a possibilidade de existirem crianças fora do sistema escolar. As prioridades para o sector da educação contemplam ainda a extensão do programa merenda escolar em todos os municípios da província e a dinamização e monitorização do programa de alfabetização, em zonas com elevada taxa de analfabetismo.

Milhares com água e luz

O sector da energia e águas também apresenta sinais de crescimento nos últimos 33 anos.
O governa da província investiu 33 milhões de dólares para a recuperação da rede eléctrica de baixa e media tensão da cidade do Dundo, que consiste na montagem de 36 postos de transformação com a capacidade de 630 KVA, 400 postos metálicos de iluminação pública e 1.700 de madeira, além 5.900 ligações domiciliárias, totalizando 50 quilómetros de ligação de rede média e baixa tensão.
O projecto vai beneficiar mais de 15 mil consumadores da cidade do Dundo e arredores, sobretudo a periferia, que ficou privado da energia há cerca 20 anos.
Prevê-se também o aumento da capacidade de produção de energia eléctrica da central hidroeléctrica do Luachimo, de 6, 3 maga watts para 15 mega watts, com a instalação de dois novos transformadores de isolamento.
No domínio das águas, foram inaugurados este ano os sistemas de captação, tratamento e distribuição de água do Mussungue Cazunda, depois da reabilitação e de aumentado da capacidade de produção. Os centros de captação de água de mussungue e cazunda têm capacidade para bombear 420 metros cúbicos de água por hora, distribuídos para 49 fontanários construídos em diferentes zonas da periferia da cidade.
O investimento, avaliado em de 16 milhões de dólares, contempla a restauração e ampliação da antiga rede de distribuição de água de 1500 quilómetros, estabelecer 1200 ligações domiciliárias e beneficia mais de 200 mil habitantes da cidade do Dundo.

Agricultura revitalizada

O sector da agricultura está também a ser revitalizada, com um investimento de 29 milhões de dólares destinados à reabilitação e modernização da Fazenda Cacanda, que vai produzir mais de cinco milhões de ovos por ano e criar cerca de mil cabeças de gado, num período de três anos.
A fazenda Cacanda vai, igualmente, acelerar o desenvolvimento agrícola da província, com o apoio a ser concedido aos agricultores da região, através de formação técnica e agropecuária.Para além da modernização das infra-estruturas, o projecto Cacanda inclui a criação de diversos sectores agropecuários, com vista a um melhor aproveitamento do investimento, com realce para a criação de frangos, produção e comercialização de carne, hortícolas, milho e soja.
O empreendimento é uma valia no âmbito do programa de combate à fome e à pobreza e vai proporcionar cerca de 220 novos postos de trabalho directo e 100 indirectos.
Estes e outros investimentos, tornam a província da Lunda-Norte, 33 anos depois, numa região próspera, onde o lema vai continuar a ser "mais trabalho, rumo ao desenvolvimento sustentável", com a indústria diamantífera a perder, cada vez mais, espaço na matriz económica da região, em detrimento do desenvolvimento de outros sectores da economia.
A província da Lunda-Norte surgiu como resultado da divisão da então província da Lunda, ao abrigo do decreto presidencial nº 86/78 de 4 Julho. A província ocupa um espaço de 103.760 quilómetros quadrados, no nordeste de Angola, com cerca de 1,2 milhões de habitantes.
Actualmente, a província conta com nove municípios e 25 comunas. A cidade do Dundo é a capital desde 1995, por deliberação da comissão permanente do Conselho de Ministros, em substituição da cidade do Lucapa, inicialmente proposta.

Tempo

Multimédia