Províncias

Lunda Norte quer criar riqueza fora da exploração de diamantes

Armando Sapalo | Dundo

O Governo da Lunda Norte, em coordenação com as estruturas centrais do Executivo, estuda mecanismos que visam desenvolver programas e políticas eficazes para a promoção e exploração das potencialidades turísticas da província, disse  o governador Ernesto Muangala.

Governador Ernesto Muangala (ao centro) deu a conhecer aos membros do projecto Raide Angola as potencialidades turísticas da região
Fotografia: Benjamin Cândido | Dundo

O governador provincial teceu tais considerações durante um encontro, no final de semana, com a caravana turística “Clube de Amigos da Picada”, que no âmbito da quarta edição do projecto “Raide Angola”, através de motorizadas e viaturas a todo-o-terreno, percorre o país, com a finalidade de mostrar ao mundo os progressos assinalados por Angola desde o alcance da paz, em 2002.
Ernesto Muangala disse que a chegada do “Raid Angola” à Lunda Norte é motivo de satisfação e orgulho para os habitantes, por ser uma província com grande potencial turístico, que carece de exploração.
“Na Lunda Norte estão a ser criadas as condições para que as acções voltadas à redução da fome e pobreza, por via do combate ao desemprego, sobretudo no seio da juventude, não dependam única e exclusivamente do sector diamantífero”, disse Ernesto Muangala, para acrescentar: “O Governo da Lunda Norte encara o turismo como um forte mecanismo de criação de mais empregos para a juventude.” Apesar de a província ser uma região potencialmente diamantífera, as autoridades estão engajadas em trabalhar para a implementação de vários projectos económicos, fora do sector mineiro, com vista a impulsionar o crescimento social, informou o governador provincial.
Ernesto Muangala explicou aos excursionistas que a Lunda Norte, além do diamante, é uma das províncias do país que possui uma grande quantidade de recursos naturais, como ferro, magnésio, prata, mármore, granito e madeira, bem como recursos hídricos e culturais inexplorados, que requerem a sua identificação e valorização.
A província, afirmou Ernesto Muangala, apresenta vantagens excepcionais que permitem transformar o turismo num sector estratégico, que possa contribuir na aceleração económica e desenvolvimento do seu tecido social.
“Pretende-se atingir o desenvolvimento, apostando em outras actividades económicas, como agricultura, pecuária, pesca, indústria e turismo, por serem áreas férteis e que apresentam um grande potencial”, afirmou o governador.
Ao falar das principais áreas turísticas da província, que precisam de investidores, Ernesto Muangala destacou a Lagoa de Carumbo, eleita como uma das “Sete Maravilhas de Angola”.
O governador salientou que a Lagoa de Carumbo é um “gigante adormecido”, que, em função do seu valor em termos de biodiversidade, carece de exploração, para estar entre os melhores e conceituados lugares de atracção turistas nacionais e estrangeiros. O governador Ernesto Muangala garantiu que o governo local está a criar as condições para melhorar o acesso à Lagoa de Carumbo, com vista a atrair investidores, investigadores e académicos interessados na sua exploração.
“Convido zoólogos, biólogos, ambientalistas e outros investigadores a visitarem a Lagoa de Carumbo, para que entrem em contacto com a diversidade de espécies vegetais e animais existentes naquele acampamento turístico.” Com uma extensão de 200 mil hectares, a Lagoa de Carumbo, a maior lagoa do interior do país, dispõe de 195 espécies de aves identificadas, 13 das quais consideradas raras.
O Museu Regional do Dundo, considerado um dos maiores em África, a Estação Arqueológica do Bala-Bala, os edifícios da arquitectura colonial e Rotunda do Obelisco são algumas das atracções turísticas mencionadas pelo governador.
Dados fornecidos pela Direcção Provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo revelam que em 2015 foram criados 781 novos postos de trabalho neste sector a nível da Lunda Norte. O Projecto Raide Angola foi lançado pelo Clube de Amigos da Picada, agremiação fundada a 5 de Agosto de 2006, com o objectivo de percorrer o país por estrada, através de uma excursão motorizada, explicou o seu Presidente de Mesa da Assembleia-Geral, Jorge Almeida.
Em cada ano, disse, a excursão começa a 2 de Novembro e termina no dia 11 do mesmo mês, como forma de prestar tributo à Independência Nacional. Além das províncias de Angola o Clube de Amigos da Picada já percorrer também localidades de 12 países africanos. 

Tempo

Multimédia