Províncias

Novos meios melhoram qualidade dos serviços

Armando Sapalo | Dundo

O Hospital Sanatório de Sacavula, Lunda Norte, melhorou a prestação de serviços, com a instalação de equipamentos modernos de diagnóstico de alta definição tecnológica.

Governador ouviu atentamente as explicações dadas pela direcção do hospital que continua a ser dotado de meios e recursos humanos
Fotografia: Benjamim Cândido | Dundo

O governador provincial, Ernesto Muangala, que visitou a unidade sanitária para verificar as obras de reabilitação e ampliação, lembrou que os novos equipamentos ajudam a resolver algumas dificuldades de diagnóstico e referiu a necessidade de se adquirirem mais meios e quadros especializados para responder às necessidades.
Ernesti Muangala anunciou para breve a aquisição de um laboratório de microbiologia que, além de ajudar nos diagnostica, estabelece mecanismo sobre os antibióticos capazes de combater de forma eficiente o vírus.
Ernesto Muangala, que também é médico, considerou de extrema importância a modernização do laboratório do Hospital Sanatório de Sacavula por permitir melhorar a qualidade da assistência médica.
“Vamos continuar a prestar especial atenção ao Hospital Sanatório de Sacavula por ser uma unidade sanitária de referênciavocacionada para o tratamento da tuberculose e de outras doenças infecto-contagiosas”, disse.  O governador sublinhou que para melhorar assistência médica o Hospital Sanatório de Sacavula está a ser dotado de meios e recursos humanos por ser uma unidade à qual acorrem pessoas provenientes de todos os municípios da província. O laboratório do hospital é assegurado por um especialista em análises clínicas e dez enfermeiros, mas o número de profissionaisainda insuficiente  vai ser aumentado.
 
Primeira fase das obras

Ernesto Muangala disse ter ficado agradado com o desenrolar das obras de reabilitação e ampliação do Hospital Sanatório iniciadas no ano passado, que vão permitir aumentar o número de camas de cem para 140.
As obras decorrem de acordo o estabelecido no contrato, com a primeira fase a beneficiar as áreas de enfermarias, farmácia, refeitórios, cozinhas, lavandaria, morgue e balneários.   “Pretendemos que os investimentos no sector da Saúde produzam resultados satisfatórios na assistência médica e medicamentosa e evitem que haja doentes que tenham de ser transferidos para Luanda, o que é bastante dispendioso para as famílias”,  declarou o governador.
O director de produção da empresa responsável pela execução das obras de reabilitação disse ao Jornal de Angola que a primeira fase dos trabalhos fica concluída em Março.   A segunda fase de reabilitação inclui quatro pavilhões e a área exterior do edifício, como lancis, passeios e jardins.

Tempo

Multimédia