Províncias

Novos postos de emissão na Lunda Norte

Isidoro Samutula | Dundo

Os municípios de Capenda Camulemba e Caungula, província da Lunda Norte, vão dispor, dentro de dias, de postos de emissão do Bilhete de Identidade, no quadro do programa de extensão dos serviços de identificação e registo criminal a nível das circunscrições administrativas, anunciou, no Dundo, o delegado provincial da Justiça.

Munícipes de Capenda Camulemba e Caungula têm agora mais facilidades em tratar documentos como o Bilhete de Identidade
Fotografia: Benjamin Cândido


Baptista Miguel disse que os equipamentos necessários para o funcionamento dos postos de emissão do BI nos municípios Capenda Camulemba e Caungula já estão instalados, estando agora a decorrer a formação técnica dos quadros que vão manusear o complexo material informático.
“Estamos a acertar algumas questões de ordem administrativa e técnica, porque os equipamentos instalados exigem muita precisão e capacidade técnico-profissional do pessoal”, esclareceu o responsável da delegação da Justiça.
A abertura dos postos de emissão do BI nas referidas municipalidades vai descongestionar a grande afluência de pessoas que acorrem ao posto de emissão do Dundo, onde, até agora, é atendida a maior parte da população da província da Lunda Norte.
Baptista Miguel disse, ainda, que a intenção é permitir a aproximação das pessoas aos serviços de identificação civil e criminal, assim como evitar que a população dos municípios mais distantes da cidade do Dundo deixe de gastar muito dinheiro com os transportes, numa distância de cerca de 500 quilómetros, para adquirir o BI.  A província da Lunda Norte conta, neste momento, com apenas dois postos de emissão de BI, instalados na cidade do Dundo e na sede municipal do Cuango, instituições que atendem um universo de quase um milhão de habitantes.
O município do Chitato, acrescentou, vai ser apoiado por postos móveis, que começam a funcionar em breve, com vista a reforçar o posto fixo do Dundo, onde, em função das grandes enchentes, muitas vezes o processo de emissão do BI leva entre dois a três dias.
Baptista Miguel realçou o facto de existirem nos postos do Dundo e Cuango centenas de bilhetes emitidos, de pessoas que não aparecem para proceder ao seu levantamento.
As razões apontadas para esta atitude prendem-se com a saturação das pessoas, devido às grandes enchentes e à morosidade do processo de emissão. “Mas, apelamos para que os cidadãos procedam ao levantamento urgente desses documentos, uma vez que correm o risco de ser destruídos, caso ultrapassem mais de dois meses, tempo previsto por Lei”.
Quanto a esta questão, o delegado provincial da Justiça avançou que vão ser afixadas listas nas administrações municipais e comunais com os nomes das pessoas dos bilhetes emitidos e que ainda não os levantaram.

Tempo

Multimédia