Províncias

Obras no aeroporto do Dundo param por razões financeiras

Armando Sapalo | Dundo

A população da cidade do Dundo, província da Lunda-Norte, está preocupada com os atrasos significativos que se registam na reabilitação e ampliação da pista do aeroporto do Camaquenzo, cujas obras se encontram paralisadas desde finais de 2008, devido a falta de financiamento.

A população da cidade do Dundo, província da Lunda-Norte, está preocupada com os atrasos significativos que se registam na reabilitação e ampliação da pista do aeroporto do Camaquenzo, cujas obras se encontram paralisadas desde finais de 2008, devido a falta de financiamento.
A ansiedade da população aumenta com a interdição, há cerca de um mês, dos voos da única companhia de aviação que opera na província.
A medida tomada pelo Instituto Nacional de Aviação Civil (INAVIC) está a privar as pessoas de viajar para Luanda em serviço, negócios, tratamento médico e até mesmo estabelecer ponte para o exterior do país.
O director provincial dos transportes, correios e telecomunicações da Lunda-Norte, José Rosa, explicou que a interdição da pista do Dundo a aviões de maior porte, se enquadra na estratégia da Empresa Nacional de Navegação Aérea (ENANA), que visa a reabilitação e ampliação das infra-estruturas aeroportuárias do país. />O responsável justificou que a falta de recursos financeiros para a conclusão das obras do aeroporto, foi motivada pela crise económica mundial.
A ENANA, adiantou, está engajada na mobilização de meios financeiros que vão permitir a conclusão das obras iniciadas em 2008.
Admitiu que o aeroporto apresenta um estado bastante acentuado de degradação, desde o terminal de passageiros até à própria pista, o que levou ao impedimento da aterragem de aviões de grande porte.
O funcionário da ENANA afirmou que as autoridades estão a envidar esforços junto das estruturas centrais, para que, ainda este ano, a prossecução da reabilitação das obras possa acontecer.
Actualmente a pista tem 1.800 metros de comprimentos e com a sua amplificação, pretende-se que ela tenha 2.500 metros de comprimento e 35 de largura.
Está também projectada a construção de um novo edifício, com um piso que albergará a sala de embarque, área protocolar, restaurantes e operações aéreas.

Tempo

Multimédia