Províncias

Perímetro agro-pecuário do Calonda produz milhares de toneladas de carne

Armando Sapalo |Calonda

O governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, procedeu terça-feira ao lançamento da primeira pedra para a concretização do projecto de desenvolvimento agro-pecuário do Calonda, com capacidade de produzir 100 mil toneladas de carne bovina.

Projecto vai contar com milhares de bovinos
Fotografia: Jornal de Angola

O governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, procedeu terça-feira ao lançamento da primeira pedra para a concretização do projecto de desenvolvimento agro-pecuário do Calonda, com capacidade de produzir 100 mil toneladas de carne bovina.
“Localizado a 18 quilómetros da sede municipal do Lucapa, o projecto agro-pecuário do Calonda vai ser gerido pela empresa brasileira Capilongo e vai anualmente produzir 100 mil toneladas de carne bovina e tornar a região auto-sustentável em cereais e hortofrutícolas”, revelou Porfírio Muacassange, vice-governador da Lunda-Norte.
O vice-governador disse que as primeiras fazendas, conjunto também denominado “Brilho da terra”, entram em pleno funcionamento a partir do ano 2014 e contam com várias infra-estruturas de desenvolvimento agro-pecuário e apoio aos agricultores da região.
O perímetro agro-pecuário do Calonda, à semelhança da fazenda Cacanda, situada no município do Chitato, prevê ainda criar bases sustentáveis que visam a criação de circuitos comerciais, com inúmeros postos de trabalho e aumento da renda familiar.
Além do combate à fome e pobreza no seio das populações da localidade do Calonda, o projecto vai também contribuir para a redução da importação de produtos alimentares.
“A nossa aposta basilar sempre foi o sector agro-pecuário, com vista a garantirmos a sustentabilidade e segurança alimentar das famílias, pois pretendemos deixar de depender única e exclusivamente da economia diamantífera”, realçou a entidade governamental.
O vice-governador lembrou que aliado aos projectos do sector agro-pecuário relacionados com a criação e surgimento de fazendas de pequena, média e grande dimensão está o programa de concessão de crédito agrícola de campanha.
Mais de mil camponeses a nível da província, organizados em cooperativas e associações, já beneficiam de crédito agrícola, através do Banco de Poupança e Crédito, disse o vice-governador.


Famílias integradas


O responsável do Grupo Kapilongo, empresa encarregue da edificação do projecto, disse ao Jornal de Angola que o perímetro agro-pecuário do Calonda vai proporcionar mais de 800 novos empregos aos jovens locais.
Além disso, adiantou, a área agro-pecuária do Calonda, que inclui a construção de uma residência T-3, infra-estruturas administrativas, mangas de vacinação para mais de 800 cabeças de gado, vai ainda criar mecanismos para a integração dos agricultores numa rede comercial, com vista a facilitar a compra dos seus produtos.
Outro desafio do projecto, segundo Cláudio Pereira Pinto, tem a ver com a vertente da preparação e fornecimento de lotes de terras aos camponeses, onde vão ser cultivados diversos produtos agrícolas, com realce para tubérculos e cereais, com vista a assegurar a alimentação dos animais.
Pereira Pinto disse também que o projecto pretende alcançar 50 mil cabeças de gado bovino. Numa primeira fase, o projecto arranca com 500 cabeças da raça Nelor, adquiridas na província de Malange, 20 de touros e dez cavalos.
Na fase produtiva, a gestão do projecto continua a ser do grupo brasileiro Kapilongo, constituído também por técnicos angolanos, disse Pereira Pinto.
Satisfeito pelo facto de ver uma empresa brasileira a participar no processo de desenvolvimento do sector agro-pecuário de Angola, Cláudio Pinto revelou que a mesma já gastou cerca de 800 mil dólares com os trabalhos de marcação da superfície total do terreno e aquisição de máquinas.
O projecto, informa a fonte, está a ser implantado numa área total de 160 mil hectares, onde são reabilitadas as antigas fazendas da Companhia de Diamantes de Angola (Diamang), que no passado chegou a criar mais de 800 mil cabeças de gado bovino, cuja produção abastecia também as outras províncias situadas no leste de Angola.

Tempo

Multimédia