Províncias

Programa "Água para Todos" chega a todos os municípios com novos investimentos

Armando Sapalo |

Desde a conquista da paz em 2002, até a presente data, o a­bastecimento de água potável às populações da província da Lunda-Norte atingiu níveis de cobertura satisfatórios, fruto dos grandes investimentos feitos pelo executivo local em coordenação com as estruturas centrais, que permitiram a entrada em funcionamento de novos sistemas de captação, construídos nas sedes municipais e comunais da região.

André Camilo acredita que as metas do abastecimento de água vão ser alcançadas
Fotografia: Benjamim Cândido|

Desde a conquista da paz em 2002, até a presente data, o a­bastecimento de água potável às populações da província da Lunda-Norte atingiu níveis de cobertura satisfatórios, fruto dos grandes investimentos feitos pelo executivo local em coordenação com as estruturas centrais, que permitiram a entrada em funcionamento de novos sistemas de captação, construídos nas sedes municipais e comunais da região.
O director provincial da Energia e Águas, André Camilo, disse, em entrevista ao Jornal de Angola, que os dez anos de paz e reconciliação nacional possibilitaram ao Executivo desenvolver acções que melhoraram significativamente as condições de vida das populações residentes nas zonas urbanas e rurais.
André Camilo destacou que, no quadro da execução dos vários projectos sociais, sobretudo dos Programas “Água para Todos” e de Investimentos Públicos, a província da Lunda-Norte ganhou 18 novos sistemas de captação e distribuição de água.
Os sistemas de captação de águas operacionais a nível da província, explicou, contam com uma capacidade instalada de 28.857 metros cúbicos por dia, sendo que até ao momento estão disponíveis, por enquanto, 2.217, devido a alguns problemas técnicos que gradualmente estão a ser superados com o objectivo de elevar os seus níveis de produção.
Os projectos concluídos, segundo o responsável provincial do Ministério da Energia e Águas, permitiram abastecer 381.500 habitantes, numa taxa de cobertura na ordem dos 38 por cento, principalmente nos municípios do Chitato, Lucapa, Cuango e Cambulo.
A intenção, assegurou, é minimizar o elevado grau de sofrimento das populações locais que, no passado, devido a ausência de água potável nas suas localidades, percorriam longas distâncias para se abastecerem.
Por isso, declarou, as autoridades governamentais da província continuam empenhadas em estabelecer mecanismos eficazes com vista a garantir a todos os habitantes da região o acesso fácil e adequado à água potável.

Novos projectos

André Camilo adiantou que até finais do presente ano, está previsto o alargamento e consequente expansão da rede de distribuição de água potável em todas as zonas de maior aglomeração populacional, tendo em vista a redução substancial do índice de doenças provocadas pelo consumo de água tirada dos rios. Avançou que estão em construção oito novas captações de água que estão a ser dotadas de capacidade suficiente, através de um sistema de canalização moderna destinado a permitir que os níveis de abastecimento sejam aceitáveis, de acordo com as exigências do ministério de tutela.
“Estamos a desenvolver acções para que toda a população da província beneficie de água potável e todos os projectos em curso e aqueles já concluídos estão a ser dotados de capacidade suficiente para que o abastecimento de água seja satisfatório, segundo as exigências do próprio Ministério”, garantiu.
O governo da Lunda-Norte, disse André Camilo, tenciona garantir o abastecimento de água canalizada a milhares de famílias da província, visando contribuir para o seu desenvolvimento sustentável nos mais variados níveis, pois que o sector das águas configura-se como sendo um dos pontos de partida para o referido desejo.
Essas metas, segundo André Camilo, vão ser alcançadas com a materialização dos projectos de construção de novos sistemas de captação de águia da sede municipal do Cuilo e das comunas do Cachimo, Luia, Cassange-Calucala e Lovua, localizadas nas circunscrições municipais de Cambulo, Xá-Muteba e Chitato, respectivamente.
Esclareceu ainda que o acentuado défice de abastecimento de água canalizada a essas localidades, onde os seus projectos não ficaram concluídos, resulta da degradação das vias de acesso que não permitiram aos empreiteiros efectuar a transportação de materiais.
O Programa “Água para Todos”, iniciado no ano 2008 e que evoluiu em 2009, lembrou, vai igualmente abarcar as sedes municipais do Xá-Muteba e Capenda-Camulemba, assim como as cidades de Cambulo e Lucapa, com a construção de sistemas modernos de produção, tratamento e distribuição de água, além do aumento da capacidade dos existentes.
“Pretendemos, a nível dos nossos projectos, construir dentro das sedes municipais sistemas modernos não só de produção, mas também de tratamento de água com vista a fazer face aos investimentos e políticas traçadas pelo executivo central, pois que o abastecimento regular de água constitui um dos objectivos do milénio que também nós os angolanos nos propusemos materializar”, augurou.

Sistema modelo no Chitato

O director provincial da Energia e Águas afirmou que o município do Chitato constitui o ponto de partida quanto à construção de captações modernas de produção, tratamento e distribuição de água, com a entrada em funcionamento dos sistemas de Mussungue e Cazunda.
André Camilo lembrou que em Abril de 2011 cerca de 20 mil famílias da cidade do Dundo passaram a beneficiar de água canalizada, depois da inauguração pelo ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, de dois imponentes empreendimentos de abastecimento de água.
Segundo André Camilo, as captações do Mussungue e Cazunda têm capacidade para bombear 420 mil metros cúbicos de água por hora, tendo como suporte um sistema de conduta de cinco quilómetros que permite transportar a água para dois reservatórios de média dimensão com vista a proceder a distribuição a 49 chafarizes colocados em diferentes zonas periféricas.
De acordo com o responsável do pelouro da Energia e Água da Lunda-Norte, considera-se como modernos os sistemas de Mussungue e Cazunda porque ambos foram concebidos para traduzir a rede de transporte e distribuição de água potável compatível mais conciliável com as necessidades das populações da cidade do Dundo e arredores.
Além disso, realçou, foi reparada e ampliada a antiga rede de transporte e distribuição de água da cidade do Dundo para 1.500 quilómetros e 1.200 novas ligações domiciliárias, sendo que neste capítulo devem ser desenvolvidas outras acções com a montagem de mais 600 ligações, além da construção de outros 14 chafarizes nos próximos tempos. Com a entrada em funcionamento dessas novas captações para a cidade do Dundo, afirmou, registou-se uma redução considerável de doenças, sobretudo da cólera, tendo em conta que os mesmos empreendimentos contam com um sistema de tratamento de água.
“Pretendemos construir captações semelhantes às do Mussungue e Cazunda nas demais sedes municipais da província de modo a permitir que as populações locais consumam água devidamente tratada”, assegurou.

 

 


Dados estatísticos  de abastecimento de água  potável às populações da Lunda-Norte

- Sistemas de captações águas operacionais: 18
- Capacidade instalada: 28.857 M3 / Dia
- Capacidade disponível: 28.217 M3/ Dia
- Consumidores: 381.500
- Sistemas operacionais por municípios

Município do   Chitato

- Dundo: Captação do Mussungue: 7.200 m3/dia
- Dundo: Captação do Cazunda: 2.800 m3/dia
- Chitato - sede municipal: Captação do Cambemba: 500m3/dia
- Chitato - Comuna do Luachimo: Captação de Cassamba: 320 M3/DIA

Município do  Cambulo

- N´Zagi: Captação de Sachicucu 5.000 m3/DIA
- Comuna do Canzar: captação de 350 m3/DIA
- Localidade do Luxilo: 480 m3/DIA
- Localidade do Cassanguidi: captação de 122 m3/DIA

Município do  Lucapa

- Captação do Luangando: 7.200 M3/DIA
- Comuna de Camissombo: captação do Chipuapua 640 M3/DIA
- Comuna do Xa-Cassau: captação de 464 M3/ Dia
- Comuna do Capaia: captação de 480 M3/ Dia
- Vila de Calonda: Captação de 560 M3/ Dia

Município
de  Capenda  Camulemba

- Sede Municipal: Captação de 153 M3/ Dia
- Comuna do Xinge: Captação de 640 M3/ Dia

Município do  Cuango

- Sede Municipal: Captação de 264 M3/ Dia
- Comuna do Luremo: projecto em curso
- Vila do Cafunfu: Captação de 600 M3/ Dia

Município de  Xá-Muteba

- Sede Municipal: Captação de 464 M3/ Dia
- Comunas do Iongo e Cassange-Calucala: projectos em curso

Município do Lubalo

- Sede Municipal: Captação de 140 M3/ Dia
- Comunas do Luangue e Muvulegi: projectos em curso

Município do Caungula: Captação de 960 M3/ Dia
Comuna de Camaxilo: projecto em curso

Município do Cuilo: Projecto em curso

Tempo

Multimédia