Províncias

Progressos em Xá-Muteba

Armando Sapalo |

O município de Xá-Muteba, na província da Lunda-Norte, tem vindo a conhecer níveis significativos de desenvolvimento, com o surgimento de novas infra-estruturas de impacto social, que estão a proporcionar melhores condições de vida aos seus habitantes.

município prioriza educação e saúde



O município de Xá-Muteba, na província da Lunda-Norte, tem vindo a conhecer níveis significativos de desenvolvimento, com o surgimento de novas infra-estruturas de impacto social, que estão a proporcionar melhores condições de vida aos seus habitantes.
Em declarações ao Jornal de Angola, a administradora municipal de Xá-Muteba, Angélica Nené Curita, afirmou que, no âmbito da implementação do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza, estão a ser melhorados os principais serviços sociais básicos, com realce para a expansão da rede escolar, sanitária, de abastecimento de água, energia eléctrica e construção de infra-estruturas administrativas e residenciais. Angélica Nené Curita disse que foram construídas este ano seis novas residências para os quadros locais, uma casa protocolar e residência para a administradora municipal, por formas a criar melhores condições de habitabilidade dos quadros dos diferentes sectores da administração pública e contribuir para a melhoria da imagem da sede municipal de Xá-Muteba.
A administradora Nené Curita garantiu que num período de cinco anos, vai se mudar a imagem da vila de Xá-Muteba, com a conclusão de várias obras em curso, visando a requalificação das principais ruas, com a colocação de placas informativas, recuperação do jardim municipal e criação de espaços turísticos. O projecto de requalificação da vila de Xá-Muteba, segundo a administradora municipal, contempla a construção de um moderno edifício para o funcionamento das diferentes repartições municipais, cujas obras estão em curso, e o reforço de medidas de saneamento básico.
As acções que visam reforçar o sistema de saneamento básico, disse, consubstanciam-se na construção de valas de drenagem das águas pluviais e residuais, passeios, lancis e recintos polivalentes, para a promoção de actividades culturais e desportivas, no âmbito do programa de ocupação dos tempos livres da juventude.

Educação em alta

Nos últimos dez anos, segundo Angélica Nené Curita, a população de Xá-Muteba deixou de enfrentar dificuldades que têm a ver com a falta de escolas e postos de saúde, uma vez que os esforços empreendidos pelo governo aproximaram esses serviços às comunidades. Só no sector da Educação, recordou a administradora, devido a escassez de salas de aula, no passado, mais de 4.000 crianças ficavam fora do sistema normal de ensino e 3.000 outras assistiam aulas ao relento, tendo em conta que o município possuía apenas menos de 15 escolas.
Hoje, frisou, a situação melhorou substancialmente, pois o município conta com 20 escolas, das quais uma do primeiro ciclo, perfazendo um total de 103 salas de aula. O processo de ensino e aprendizagem a nível do município de Xá-Muteba é assegurado por 170 professores.
Angélica Nené Curita admitiu que, não obstante os esforços tendentes a expansão da rede escolar, para responder à demanda em termos de redução de crianças fora do sistema normal de ensino, são necessárias mais 13 escolas com quatro salas de aula cada e mais 140 novos professores. “Conseguimos, num espaço de dez anos, construir novas escolas na sede municipal e nas duas comunas que compõem a nossa circunscrição, para albergar crianças que estavam fora do sistema de ensino e aumentar, também, o número de professores em função do surgimento de novas escolas”, salientou.
Tendo em conta a importância do sector da Educação, em termos do processo de inclusão social das comunidades, três novas escolas vão ainda este ano entrar em funcionamento nas localidades de Chico Mateus e Mulo, além de cinco outras que estão a ser projectadas para a comuna do Iongo.
Avançou que, para resolver o problema de carência de casas para os professores, a administração municipal está a construir, na sede municipal, um complexo residencial para os quadros do sector, estando prevista a sua conclusão para o próximo ano. “Todos esses projectos estão a permitir um melhor funcionamento do processo de ensino e aprendizagem a nível do nosso município, pois no passado as crianças estudavam ao relento e os professores enfrentavam inúmeras dificuldades de alojamento”, referiu lembrando que muitos quadros abandonavam a região devido a falta de acomodação condigna.
Devido a elevada procura de escolas, reiterou, “a administração municipal vai continuar a trabalhar para o surgimento de novos estabelecimentos de ensino, sobretudo nas comunidades de maior aglomeração populacional”, assegurou.
Em relação a merenda escolar, no município de Xá-Muteba o programa abrange mais de 1.200 crianças, prevendo-se aumentar para cerca de 2.000 alunos a partir do próximo ano lectivo.

Ampliação da rede sanitária

A administradora municipal de Xá-Muteba assegurou que está a ser expandida a rede sanitária da região, sobretudo para as áreas distantes das sedes municipal e comunais, com a construção de unidades sanitárias na periferia. Angélica Nené Curita declarou que nos últimos dez anos foram construídas várias unidades sanitárias, destacando o centro médico na sede municipal com capacidade para 18 camas e vários serviços instalados, postos médicos nas comunas de Cassange-Calucala, Iongo, assim como nas localidades de Domingos Vaz, Samba Nova e Nulo.
A rede sanitária do município, adiantou, vai ser reforçada, este ano, com a entrada em funcionamento de mais um centro de saúde que está a ser construído na localidade de Domingos Vaz, bem como quatro novos postos médicos que vão beneficiar as populações da comuna de Cassange-Calucala e povoação de Cangongo.
“As obras estão a decorrer a um ritmo satisfatório e dentro de pouco tempo elas terminam. A população vai deixar de percorrer longas distâncias, das suas comunidades para a sede municipal, em busca de assistência médica”, realçou.

Necessidade de médicos

Angélica Curita mostrou-se preocupada pelo facto de o município estar desprovido de médicos, a julgar pelo elevado número de doenças e casos de traumatismos que vão parar ao centro de saúde. Actualmente, revelou, a assistência sanitária às populações é assegurada por 19 enfermeiros de diversas especialidades.  O município de Xá-Muteba, acrescentou, necessita de médicos especialistas em ortopedia, pediatria, clínica geral, ginecologia e obstetrícia, com vista a colmatar a carência que se faz sentir.
“As nossas unidades sanitárias estão apetrechadas com equipamentos modernos de diagnóstico, prestando serviços essenciais, principalmente na área de partos, testes de malária e outras patologias que apoquentam os habitantes do município, mas ainda assim, temos falta gritante de médicos”, referiu, salientando que o governo da província prometeu tudo fazer para enviar médicos ao município. Angélica Nené Curita garantiu que há melhorias em termos de abastecimento de medicamentos essenciais e materiais gastáveis, pois no quadro do programa de municipalização dos serviços de saúde, a repartição dispõe de “um orçamento específico para aquisição de fármacos”.
Destacou ainda que “uma outra fonte de abastecimento tem sido o próprio governo provincial que, através da Direcção Nacional de Saúde, envia regularmente medicamentos para o município”. As principais patologias que afectam a população do município são a tuberculose, a malária e doenças diarreicas agudas. O sector da saúde conta com quatro ambulâncias que efectuam trabalhos de transportação de doentes em estado grave e uma outra viatura de apoio aos serviços administrativos da repartição.

Energia e água

O fornecimento de energia à sede municipal de Xá-Muteba, disse, é assegurado por um grupo gerador com capacidade de 450 KVA, enquanto que nas comunas e outras localidades de maior densidade populacional a administração está a negociar com empresas privadas do sector energético que operam na província, para aquisição de geradores de 100 KVA cada, para instalar a rede eléctrica em Cassange, Calucala e Iongo.
Para o reforço da capacidade de energia eléctrica, a administração municipal de Xá-Muteba vai adquirir quatro geradores de 60 e 30 KVA, para a iluminação pública nas comunas.
Quanto ao abastecimento de água, Angélica Curita admitiu que o município continua a debater-se com inúmeras dificuldades, devido a escassez de rios na região, salientando que estão a ser envidados esforços para a construção de uma central de captação, com a capacidade de 464 metros cúbicos por dia, a nível da sede municipal, e abertura de 13 fontanários em vários bairros.  A construção desses fontanários vai possibilitar as populações consumirem água potável, reduzindo assim o índice de doenças como a cólera. Está, também, projectada no âmbito do Programa Água para Todos, a construção de mais um sistema de captação e seis chafarizes. “O nosso município enfrenta muitas dificuldades quanto ao abastecimento de água potável às populações, devido à escassez de rios, mas os projectos continuam e paulatinamente vamos levando o precioso líquido às famílias, através do Programa Água Para Todos”, disse.

Tempo

Multimédia