Províncias

"Raid Kwanza-Sul" em terras diamantíferas

Isidoro Samutula|Dundo

A excursão turística “Raid Kuanza Sul”, promovida pelo governo provincial do Kwanza-Sul e Câmara municipal de Almada, Portugal, passou terça-feira pela cidade do Dundo, província da Lunda-Norte.

A excursão turística “Raid Kwanza-Sul”, promovida pelo governo provincial do Kwanza-Sul e Câmara municipal de Almada, Portugal, passou terça-feira pela cidade do Dundo, província da Lunda-Norte.
A caravana é composta por 19 viaturas e 56 integrantes de nacionalidade portuguesa, espanhola, timorense e angolana. Tendo como tema principal “A caminho das Lundas”, o raid tem como objectivo mostrar ao mundo as potencialidades turísticas, económicas e sociais da região leste do país.
Na cidade do Dundo, os excursionistas foram recebidos em apoteose pelos membros do executivo da província da Lunda-Norte, membros das organizações juvenis e da sociedade civil, que se mostraram felizes pelo facto da organização da quinta edição do “Raid Kuanza-Sul” ter escolhido a província da Lunda-Norte como ponto de passagem preferencial.
Os participantes na aventura, além de visitarem o museu do Dundo, que está na fase final de reestruturação, acompanharam ao vivo a dança e ouviram músicas tradicionais da região, abrilhantados pelo grupo folclórico “Akixi nhi Txianda”.
O excursionista português Miguel Anacoreta Correia, engenheiro de profissão, aproveitou a passagem do “Raid Kwanza Sul” pela cidade do Dundo para proceder ao lançamento da sua obra literária com o título “Rumo às terras que brilham: Lundas”, no Hotel Diamante. />O representante do governo do Kwanza-Sul neste projecto, Manuel Nascimento Rosa da Silva, disse, na ocasião, que o projecto é fruto de um acordo de cooperação entre a província do Kwanza-Sul e a Câmara de Almada, Portugal, e visa divulgar as potencialidades turísticas, culturais, económicas e sociais do país, fazendo com que os turistas portugueses, espanhóis e de Timor Leste levem uma imagem diferente de Angola.
Manuel da Silva afirmou que “ com esta actividade, estamos a demonstrar que Angola é um país lindo para se viver. É um país com um povo acolhedor e o objectivo da iniciativa é fazer com que turistas de vários países adiram à iniciativa e participem nos próximos raids, para o país ter maior visibilidade no exterior”.
Disse ainda que os turistas têm pouca informação sobre a cultura e sítios turísticos das Lundas. “Esta é uma oportunidade que permite recolher uma informação mais precisa sobre a região, com realce para o museu regional do Dundo, pela sua importância e reputação mundial”, adiantou.
O raid, que partiu de Luanda, percorreu cerca de 1.400 quilómetros até chegar à cidade de Dundo, província da Lunda-Norte, depois de ter passado pelas províncias de Kwanza-Norte e Malange.
Depois das Lundas, o raid seguiu para as províncias do Moxico, Bié, Huambo e termina no Kwanza-Sul.

Tempo

Multimédia