Províncias

Sector sanitário precisa de médicos

João Pedro| Dundo

A Lunda-Norte precisa de reforçar a rede sanitária com recursos humanos e meios disse à nossa reportagem o delegado provincial de Saúde, Pedro José António. Com dois hospitais provinciais e quatro municipais, a província tem ainda dez centros de saúde auxiliados por 34 postos de saúde.

Autoridades locais pretendem baixar o índice de mortalidade nas comunidades
Fotografia: Jornal de Angola

A Lunda-Norte precisa de reforçar a rede sanitária com recursos humanos e meios disse à nossa reportagem o delegado provincial de Saúde, Pedro José António. Com dois hospitais provinciais e quatro municipais, a província tem ainda dez centros de saúde auxiliados por 34 postos de saúde.
O Hospital Provincial do Dundo recebe o maior número de pacientes e presta mais serviços de especialidades médicas e cirúrgicas.
O director provincial da Saúde da Lunda-Norte, Pedro José António, disse que os dois hospitais provinciais existentes estão degradados mas há um projecto ambicioso para a construção de uma nova unidade, que deve entrar ao serviço daqui a quatro anos: “já existem contactos avançados para iniciarmos as obras e então vamos ter um hospital condigno para atender os nossos pacientes”.
Também está prevista a construção de unidades de saúde nos municípios com maior densidade populacional: Chitato, Cambulo, Lucapa e Cuango: “temos um projecto de construir dez postos de saúde, dez centros de saúde e dois hospitais municipais, um hospital materno infantil, um instituto médio de saúde, um laboratório provincial e um depósito provincial de medicamentos”, garantiu Pedro José António. />Quanto aos recursos humanos, o director provincial da Saúde disse que é preciso aumentar o número de médicos, enfermeiros e técnicos de laboratórios: “a província tem nove municípios, temos médicos apenas em três e a maioria deles está no município do Chitato. Cambulo e Lucapa são os outros que têm médicos ”. Para solucionar o défice de recursos humanos, a delegação provincial da Saúde já solicitou 30 médicos de várias especialidades, 600 enfermeiros e 50 técnicos de meios auxiliares de diagnóstico.
“É nosso pretensão cobrir todos os municípios com médicos para prestarmos melhores serviços”, disse o director provincial da Saúde. Pedro José António explicou que muitos médicos de nacionalidade angolana recusam trabalhar no interior do país, dando como desculpa a falta de condições.
 O Governo Provincial da Lunda-Norte está a criar condições habitacionais em todos municípios e comunas. O sector da Saúde na Lunda-Norte tem 700 enfermeiros e 55 médicos dos quais apenas dez são angolanos.
O director de Saúde disse que no princípio deste ano o Governo Provincial distribuiu ambulâncias a todos os municípios.

Tempo

Multimédia