Províncias

Sinistrados recebem apoio em bens materiais

Armando Sapalo | Lôvua

As 85 famílias do município do Lôvua, província da Lunda Norte, que perderam as suas casas em consequência da forte chuva, que caiu sobre aquela circunscrição, no passado dia 11 deste mês, beneficiaram, sexta-feira, de materiais de construção e de bens de primeira necessidade.

 

 

Comissão Provincial Multissectorial de Protecção Civil cria condições para garantir a assistência médica e medicamentosa aos sinistrados
Fotografia: Benjamin Cândido | Lôvua

Cada sinistrado recebeu 20 folhas de chapas de zinco, cimento e pregos, além de roupa usada, cobertores e outros bens diversos de primeira necessidade.
A acção foi promovida pela Comissão Provincial Multissectorial de Protecção Civil, chefiada pelo governador Ernesto Muangala, com vista a minimizar as carências que os sinistrados enfrentam actualmente.
O administrador municipal do Lôvua, Domingos Munfungueno, agradeceu o gesto da comissão e assegurou que estão a ser desencadeados contactos junto de várias instituições e empresários, que manifestaram solidariedade para com as famílias afectadas pelos danos da chuva.
Domingos Mufungueno garantiu que, em função da disponibilidade financeira, a Administração Municipal do Lôvua está a envidar esforços, para se encontrar soluções no sentido de acudir-se as pessoas que viram as suas casas totalmente destruídas.
O responsável salientou que a administração está a assegurar, igualmente, assistência médica para os sinistrados, referindo que há contactos para a mobilização de mais recursos e material para permitir que a população desabrigada seja melhor assistida.
A forte chuva, acompanhada de ventos e granizo, além de desalojar 407 pessoas do agregado das 85 famílias, destruiu também o jango protocolar da administração municipal, infra-estruturas afectas às Forças Armadas Angolanas (FAA) e a sede do Partido de Renovação Social (PRS), no Lôvua.
As casas do administrador municipal e do seu adjunto foram outras das infra-estruturas danificadas pela chuva, que se abateu sobre o mais novo município do país.

Novo município

A antiga comuna, elevada à categoria de município em Maio de 2015, pela Assembleia Nacional, sob proposta do Executivo, à luz da nova divisão político-administrativa da província da Lunda Norte, por razões económicas, sociais e demográficas, enfrenta agora muitas dificuldades pelas consequências da chuva, lamentou o seu administrador.
Neste momento, acrescentou o administrador Domingos Munfungueno, a região está à espera de investimentos em programas estruturantes, através da construção de infra-estruturas e da criação de serviços tendentes à promoção do desenvolvimento harmonioso.
Apesar de o município constituir-se uma circunscrição potencialmente diamantífera, as autoridades locais estão engajadas em trabalhar na implementação de vários projectos económicos fora deste sector, com vista a impulsionar o progresso social, para justificar a sua elevação a esta categoria.
O administrador Domingos Munfungueno disse que se pretende, com isso, atingir o desenvolvimento sustentável, apostando em outras actividades económicas, com destaque para a agricultura, pecuária, pesca, indústria e turismo, por serem áreas férteis e que apresentam um grande potencial.
Estimada em 12.756 habitantes, grande parte da população local reside no meio rural e dedica-se à agricultura, caça, pesca e ao garimpo artesanal de diamantes. É este quadro que a administração municipal, em parceria com agentes privados ligados aos sectores produtivos, quer inverter, criando bases, tendo como ponto de partida a construção de infra-estruturas de impacto social e económico.
A aposta na educação, com o surgimento de novos estabelecimentos de ensino, para sustentar as acções de formação de quadros, e as políticas de atracção de investimentos privados constituem prioridades para as autoridades do município do Lôvua, rematou o administrador Domingos Munfugueno.

Tempo

Multimédia