Províncias

Suspeita de um caso de poliomielite registado por autoridades sanitárias

Isidoro Samatula | Dundo

Um caso suspeito de paralisia flácida aguda foi registado na comuna de Caita no município de Chitato, Lunda-Norte, pelas autoridades sanitárias da província, informou no Dundo, o supervisor do Programa Alargado de Vacinação, Henrique Salucombo.

As autoridades sanitárias da província continuam a encontrar dificuldade no acesso a algumas localidades de Xá-Muteba
Fotografia: Jornal de Angola

Um caso suspeito de paralisia flácida aguda foi registado na comuna de Caita no município de Chitato, Lunda-Norte, pelas autoridades sanitárias da província, informou no Dundo, o supervisor do Programa Alargado de Vacinação, Henrique Salucombo.
O responsável explicou que o caso foi detectado num adolescente de 15 anos durante a campanha de vacinação contra a poliomielite, realizado no fim do mês de Outubro, tendo sido colhidas análises para serem observadas em laboratório.
Enquanto se aguarda o resultado definitivo foram tomadas todas as precauções para que outras crianças não sejam contaminadas.
Para a segunda sub-jornada de vacinação contra a poliomielite realizada nos dias 25 a 27 de Novembro em algumas províncias, foram vacinadas na Lunda-Norte mais de 200 mil crianças, dos zero aos cinco anos.
Os dados anunciados são provisórios porque falta ainda a confirmação dos resultados definitivos de algumas localidades dos municípios de Lucapa, Lubalo, Capenda-Camulemba e Cuango, por dificuldades de comunicação, podendo o número ultrapassar as 227.389 crianças. 
Segundo o supervisor do PAV, as chuvas que caem incessantemente na província dificultam o trabalho dos vacinadores. “Apesar deste constrangimento, o município do Chitato superou a meta traçada de vacinar cerca de 43.422 crianças”.
Para o sucesso da campanha, foram formadas 442 equipas com um total de 2.737 pessoas envolvidas, entre mobilizadores, vacinadores e supervisores que garantiram uma cobertura total a nível da província.
A campanha contou também com apoio dos efectivos da Polícia de guarda-fronteiras, o que permitiu vacinar crianças das zonas fronteiriças e de difícil acesso com a ajuda da cruz vermelha de Angola.
Henrique Salucombo frisou que as autoridades sanitárias da província continuam a registar dificuldades quanto ao acesso a algumas localidades, como a área do Kembo e Vungula, no município do Xá-Muteba, e no Cuilo velho, devido ao mau estado das estradas.   

Tempo

Multimédia