Províncias

Trânsito fluido entre Dundo e Saurimo

Joaquim Aguiar |

As obras em curso na Estrada Nacional 180, entre as cidades do Dundo, na Lunda-Norte, e de Saurimo, na Lunda-Sul, estão a melhorar substancialmente a circulação de pessoas e mercadorias, tornando mais acessível os bens e serviços necessários para o desenvolvimento da região.

A intervenção na Estrada Nacional 180 já trouxe melhorias substanciais na circulação e as obras prometem uma via rodoviária moderna
Fotografia: Benjamim Cândido|

As obras em curso na Estrada Nacional 180, entre as cidades do Dundo, na Lunda-Norte, e de Saurimo, na Lunda-Sul, estão a melhorar substancialmente a circulação de pessoas e mercadorias, tornando mais acessível os bens e serviços necessários para o desenvolvimento da região.
A estrada tem 280 quilómetros de percurso e está a ser reabilitada por duas empresas de construção civil, a MOTAENGIL, que está a ocupar-se do troço Dundo-Lucapa, e a SNCT, que está a intervir na ligação entre Lucapa e Saurimo.
No Dundo, as obras incidem, numa primeira fase, na reabilitação do troço rodoviário entre a rotunda do aeroporto até ao centro turístico de Camundembele, num percurso de 15 quilómetros e que devem estar concluídas este mês.
O responsável da empresa MOTAENGIL, no Dundo, Paulo Matos, disse ao Jornal de Angola que o troço rodoviário entre a rotunda do aeroporto e o centro turístico de Camundembele vai ser ampliado para onze metros de largura e quatro faixas de rodagem. Cada faixa de rodagem, de acordo com Paulo Matos, é correspondente a dois metros e meio e vão ser subdivididas em duas para cada sentido, afastadas por um separador físico.
Neste momento, disse, “estamos a abrir vias alternativas, paralelas à estrada, para passagem das viaturas e iniciar depois o trabalho de compactação da terra e um conjunto de pressupostos técnicos” que levem a execução de uma obra de engenharia com durabilidade.
As alterações substanciais que vão ser introduzidas nos primeiros 15 quilómetros da Estrada Nacional 180 fazem parte do projecto especial da urbanização da cidade do Dundo, que vai estabelecer uma ligação por auto-estrada, entre a antiga cidade e a nova centralidade.
Paulo Matos disse que a MOTAENGIL vai reabilitar um total de 128 quilómetros de estrada, entre o Dundo e Lucapa, estando a conclusão prevista para finais de 2013. A estrada vai ter duas faixas de rodagem, bermas com espaços suficientes para evitar constrangimentos do trânsito, sistema de sinalização vertical e horizontal e valas e valetas de drenagem das águas pluviais.
“Tendo em conta as constantes chuvas que caiem nesta região, tomamos medidas técnicas para evitar desabamentos de terra, isto é, subimos 50 centímetros a mais da camada de terra, assim como estabelecemos valas laterais que vão conduzir as águas para fora da plataforma”, explicou Paulo Matos, destacando um conjunto de infra-estruturas que o projecto prevê.
O engenheiro de estradas da empresa MOTAENGIL ressaltou algumas dificuldades, sobretudo a aquisição de inertes para fortalecer o tapete asfáltico.
“Temos imensas dificuldades em adquirir os materiais de construção, mas optamos por utilizar o cascalho rejeitado das minas de diamantes, que por sinal é um excelente material”, disse, acrescentando que “esta medida vai por um lado dar garantias à preservação do ambiente”.
A MOTAENGIL está a empregar nesta primeira fase do projecto de recuperação da Estrada Nacional 180 mais de sessenta jovens locais, formados em diferentes áreas de construção civil pelo Instituto de Formação de Profissional (INFOP). O governador provincial da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, foi recentemente constatar a execução das obras de recuperação dos primeiros quinze quilómetros da Estrada Nacional 180, com realce para o projecto especial da construção de uma auto-estrada que vai ligar a antiga cidade à nova centralidade.
Ernesto Muangala defende a necessidade de continuar a melhorar e modernizar a cidade do Dundo, com a implantação de novas infra-estruturas viárias, de forma a torná-la mais atractiva e deslumbrante e que possa dignificar a província e os seus habitantes.
Reiterou que o projecto de requalificação da cidade do Dundo vai ser implementado faseadamente, em função da mobilização dos recursos financeiros, e prevê unificar a vila do Chitato à cidade velha do Dundo e esta à nova centralidade.
A melhoria das vias de circulação, segundo o governador Ernesto Muangala, é uma das grandes apostas do executivo, tendo tranquilizado a população que tudo está a ser feito no sentido de garantir que a circulação de pessoas e mercadorias, no território da província da Lunda-Norte, possa ser feita com segurança e comodidade.

Satisfação dos utentes da via

A recuperação da Estrada Nacional 180 vai também facilitar a vida daqueles que usam diariamente a via, no quadro das suas obrigações laborais. Paulo de Almeida é camionista e há muito tempo que se dedica ao transporte de mercadorias diversas, de Luanda para a província da Lunda-Norte. “Louvamos os esforços e empenho do executivo na reabilitação desta importante estrada, que é a principal porta de entrada para a província da Lunda-Norte”, disse, recordando os momentos difíceis que percorreu ao longo de muitos anos numa estrada esburacada que propiciava acidentes, que punham em risco a vida humana e danos económicos e financeiros avultados para os seus empregadores.
“Foram momentos muito difíceis para todos os camionistas que faziam este percurso”, salientou. “Fazíamos de Saurimo ao Dundo mais de seis horas, quando podíamos fazer em condições normais duas horas e meia” - sublinhou.
Paulo de Almeida disse igualmente que “o que me deixa mais satisfeito não é só a reparação da estrada, mas também a sua ampliação e a colocação do sistema de sinalização vertical e horizontal”, enfatizou, reconhecendo que “quando as estradas são estreitas e sem sinalização propiciam acidentes, sobretudo na altura das ultrapassagens”.
José Cristo Cândido, motorista de autocarro, faz transporte de passageiros do Dundo para Saurimo, passando por Lucapa. Reconheceu também haver melhorias substanciais na circulação e rapidez do trânsito nos últimos dias. “O trânsito melhorou muito, ressentimos menos o cansaço e já é possível fazer o percurso Dundo-Saurimo em menos de três horas, com algumas paragens”, salientou, afirmando que o trabalho de tapa-buracos que está a ser feito nesta primeira fase permite aos automobilistas prever o tempo de viagem, e assim rentabilizar também as empresas.
Disse que no estado em que se encontrava a estrada, a sua empresa teve muitos prejuízos, com avarias técnicas dos autocarros, mostrando-se optimista quanto à recuperação do tempo perdido, de forma a repor a capacidade técnica, material e financeira da sua empresa.
“Temos que trabalhar intensivamente, a via está boa, é possível fazer-se duas viagens de Dundo a Lucapa ou Saurimo, o fluxo de passageiros é razoável”, salientou, sugerindo a necessidade de garantir manutenção sistemática da estrada, sobretudo em tempos de chuva, até que possa ser toda asfaltada.

Tempo

Multimédia