Províncias

Lunda Norte precisa de professores

Victorino Matias | Dundo

A vice-governadora  para esfera Política e Social da Lunda Norte considerou no final de semana, no Dundo, grave a falta de professores do curso de línguas na Escola Superior Pedagógica, adstrito à Universidade Lueji A’nkonde,

Comunidade académica tem reclamado contra carência de docentes nos últimos anos lectivos sobretudo nos cursos de línguas e pedagogia
Fotografia: Edmundo Eucílio

e espera que o problema seja ultrapassado o mais urgente possível, para garantir uma melhor formação dos futuros professores.
Angélica Nené Ihungo disse ter recebido reclamações da comunidade académica sobre a carência de professores nos últimos anos lectivos, sobretudo no curso de línguas e nas disciplinas de lexicologia, lexicografia, morfologia, sintaxe, literatura brasileira e prática pedagógica. “Esta situação compromete a formação normal dos estudantes e limita os conhecimentos dos futuros professores”, afirmou a vice-governadora provincial, que pediu à direcção da escola para encontrar soluções o mais rápido possível.
Outra preocupação manifestada pela vice-governadora provincial está relacionada com a falta de laboratórios para os cursos do Ensino Primário, Pré-Escolar e Especial, que permitem aprimorar a prática da docência, principalmente para os que vão lidar com o ensino especial.
Apesar de tudo, louvou a iniciativa da direcção da escola superior pedagógica na implementação de novos cursos, a partir do ano lectivo de 2017, com destaque para as lições de História, Geografia e Informática.
A introdução de novos cursos vai ajudar atrair a população estudantil, sobretudo os que concluíram o ensino médio de Geografia e História na escola média de formação de professores. O reitor da Universidade Lueji A´nkonde, Carlos Alberto Cláver Yoba, destacou os esforços que estão a ser envidados para se colmatar a carência de docentes em algumas cadeiras e garantiu viabilizar o programa de superação dos quadros que trabalham nas diferentes unidades orgânicas.
Sobre a falta de professores nos cursos de línguas na Escola Superior Pedagógica da Lunda Norte, explicou que foram seleccionados dois docentes que neste momento estão a frequentar cursos de doutoramento em Didáctica da Língua Francesa e de Matemática.
Além destes,  outros seis estudantes estão a fazer os cursos de mestrado em línguas na Universidade Marien Ngouabi, na República do Congo. Neste momento, referiu, os professores estão a preparar as teses de doutoramento, enquanto os de cursos de mestrado já concluíram a parte curricular e aguardam a conclusão das pesquisas de campo. Carlos Yoba afirmou que o regresso dos referidos docentes vai contribuir para minimizar a carência de professores de línguas na Escola Superior Pedagógica da Lunda Norte.
Os estudantes dos cursos Pré-escolares têm agora a oportunidade de aulas práticas no infantário da centralidade do Dundo, no distrito urbano do Mussungue, que tem capacidade para acolher cerca de 900 crianças.
“O infantário vai fazer o papel de laboratório, onde os estudantes dos cursos pré-escolares vão realizar o trabalho de campo com pesquisas sobre diferentes temáticas”, concluiu.

Tempo

Multimédia