Províncias

Ano lectivo com resultados satisfatórios

Adão Diogo | Cacolo e Pedro Bica | Caxito

O ano lectivo 2013 na Lunda-Sul, que encerrou na vila de Cacolo, teve um aproveitamento de 80 por cento entre 152.550 alunos matriculados em todos os níveis de ensino, disse a governadora da província, Cândida Narciso.

Milhares de crianças foram matriculadas na província em diferentes níveis de ensino
Fotografia: Jornal de Angola

A governadora fez o anúncio na cerimónia de encerramento do ano lectivo depois de inaugurar quatro salas de aula da escola primária de Muacatenge, no centro da vila.
A província teve este ano mais de 3.320 professores, 700 dos quais admitidos por concurso público.
Pagamento dos salários por via bancária, construção de casas para professores, expansão da merenda escolar, regularização de assuntos pendentes a nível da segurança social e rigor na avaliação de desempenho foram, entre outras, acções desenvolvidas pelo sector da Educação. Este ano foram inseridos no sistema de alfabetização 13.920 adultos. As aulas foram ministradas por 37 alfabetizadores.
Na cerimónia de encerramento do ano lectivo foram entregues diplomas aos 65 primeiros técnicos médios formados na Escola de Formação de Professores.

Bengo traça novas estratégias

A urgente melhoria da qualidade do ensino e adequação dos currículos das escolas de formação profissional constam das recomendações saídas do Fórum Provincial do Bengo de Educação Para Todos, que decorreu em Caxito.
Durante dois dias, os participantes consideraram ser necessária uma maior divulgação dos cuidados a ter com a primeira infância, formação de técnicos sociais, expansão de infra-estruturas da infância e aumento dos recursos financeiros das administrações municipais.
Constam ainda das recomendações o aumento do número de professores , dar prioridade aos jovens locais no acesso aos concursos públicos, formação de mestres e professores de ensino primário e de educação de adultos.
Relativamente à aceleração dos objectivos de Dakar, até 2015, os educadores pedem o aumento do número de alfabetizadores, com direito a 50 por cento de subsídio, e o reforço do fornecimento de material didáctico. A realização de acções de formação de técnicos, a criação de base de dados, transformação da direcção provincial em unidade orçamental e a generalização do subsistema pré-escolar de qualidade fazem parte dos pedidos dos participantes.
No final dos trabalhos, foi também recomendada a criação de um plano estratégico, com o objectivo de revitalizar a alfabetização para alcançar as metas estabelecidas, juntar competências e conhecimentos entre a sociedade e o Governo para o combate à sida.
A vice-governadora para a área social e política, Maria Augusto Peixoto, disse, durante o encerramento, que a melhoria da qualidade de ensino na província do Bengo depende, em grande medida, da formação permanente dos professores.
Além disso, pediu aos participantes para partilharem ideias e encontrarem soluções destinadas a melhorar o sistema de ensino e que possam transmitir os seus conhecimento com maior amplitude e precisão.
“É do nosso interesse que as linhas orientadoras que saíram deste fórum sejam tidas em consideração, para que os objectivos preconizados possam ser concretizados com zelo”.
Durante dois dias, os técnicos da Educação no Bengo debateram temas ligados à primeira infância, universalização do ensino primário, habilidades e preparação para a vida activa, alfabetização e educação de adultos, equidade de género, qualidade da educação, estatística e VIH/SIDA.

Tempo

Multimédia