Províncias

Aterro sanitário melhora vida das comunidades de Saurimo

Adão Diogo |Saurimo

O aterro sanitário de Camundambala está a tratar centenas de toneladas de lixo recolhido em Saurimo pela operadora de limpeza Ponto Verde.

Carlos Cunha, responsável da empresa
Fotografia: Flávia Massua

O aterro sanitário de Camundambala está a tratar centenas de toneladas de lixo recolhido em Saurimo pela operadora de limpeza Ponto Verde. O saneamento reduziu a presença de moscas na lixeira e nos bairros circundantes, eliminou o cheiro nauseabundo e o cenário de desordem.
O lixo é enterrado e existe também a separação do vidro que depois é enviado para a VIDRUL, em Luanda. Saurimo tem o estatuto de “cidade mais limpa do país” por conta da recolha diária de 170 toneladas de lixo, depositado em 260 contentores e transportado por cinco camiões.
Carlos Cunha, o responsável da empresa Ponto Verde, disse que enterrar os resíduos sólidos é uma forma de tratamento provisória, para colmatar o défice em equipamentos indispensáveis à separação e reciclagem do lixo. O método que está a ser utilizado pode criar problemas de poluição do meio ambiente.
António Francisco conseguiu encher dezenas de sacos com garrafas, na sua maioria de cerveja, que projecta vender à VIDRUL. Ele está desempregado e as garrafas recolhidas da lixeira ajudam-no a sustentar os 11 membros da sua família. Revelou que cada saco rende 1.000 mil kwanzas e já recolheu mais de 200 sacos. Pelos vistos é um negócio próspero.
As reclamações dos habitantes dos bairros limítrofes contra o aterro sanitário por causa das invasões de enxames de moscas pararam desde que o lixo enterrado.
O manuseamento correcto dos resíduos “produziu paz”, para as comunidades de Camundambala e Txapoji, duas das várias localidades vítimas da praga d moscas.
A confirmação veio do camponês Jonasse José, que nas habituais idas à lavra, situada a escassos dois q moscas.
Jonasse José garante que agora cultiva a lavra sem sobressaltos, porque as moscas desapareceram nas lavras e nas localidades vizinhas do aterra sanitário.

Tempo

Multimédia