Províncias

Camponeses aprendem novas técnicas para aumentarem a produção na região

João Salvo | Mona-Quimbundo

Mais de 60 camponeses da Associação Unidos Venceremos, constituída por ex-militares da localidade de Chifumba, em Mona Quimbundo, frequentaram uma acção de formação sobre a aplicação das novas metodologias de cultivo.

Agricultores de Chifumba aprimoraram conhecimentos sobre a produção de mandioca
Fotografia: Jornal de Angola|

Mais de 60 camponeses da Associação Unidos Venceremos, constituída por ex-militares da localidade de Chifumba, em Mona Quimbundo, frequentaram uma acção de formação sobre a aplicação das novas metodologias de cultivo.
A formação, promovida pelo Centro de Apoio à Promoção e Desenvolvimento das Comunidades (CAPDC), destinou-se a elevar os conhecimentos dos camponeses sobre a produção da mandioca, a principal cultura de Chifumba.
O formador António Agostinho Zeferino afirmou que o CAPDC, em parceria com as administrações comunais, tenciona dentro de seis meses realizar ensaios sobre o cultivo de mandioca e que a cultura de hortícolas, os passos a dar para criar associações e o surgimento de pragas e formas de as combater foram temas também discutidos na formação.

Outras acções na comuna

Os responsáveis da CAPDC disseram ao Jornal de Angola que vão promover mais acções de formação destinadas a camponeses da região para se melhorar a produção em pequena escala de batata-doce, batata rena, milho, feijão e arroz, mas que para isso é preciso adquirir um tractor, motosserras e moagens. O administrador adjunto de Mona Quimbundo enalteceu os esforços do governo provincial na construção e reabilitação de principais infra-estruturas sociais que contribuem para a melhoria da qualidade da vida dos habitantes da comuna.
Jeremias Bengo referiu que “esses esforços” permitiram já a construção de 18 salas de aulas, um centro e dois postos de saúde, seis casas para técnicos, a sede da Administração e jangos comunitários em várias localidade.A comuna dispõe de um sistema de tratamento e distribuição de água e de um gerador de 60 CVA, que abastece a sede comunal.
O administrador mencionou a falta de técnicos nos sectores da Educação e da Saúde como as principais dificuldades da circunscrição.

Tempo

Multimédia