Províncias

Construção de moradias reactivada na Lunda-Sul

Francisco Pedro | Enviado a Saurimo

O governo da Lunda-Sul retoma esta semana a construção de mais 46 casas no âmbito do Programa de Habitação, depois de ter concluído outras 46 inauguradas  nas festas da cidade de Saurimo, que decorreram em Maio.

Mais de quatro dezenas de residências estão concluídas desde Maio
Fotografia: José Cola

O governo da Lunda-Sul retoma esta semana a construção de mais 46 casas no âmbito do Programa de Habitação, depois de ter concluído outras 46 inauguradas  nas festas da cidade de Saurimo, que decorreram em Maio.
A governadora Cândida Narciso disse à nossa reportagem que a cidade de Saurimo dispõe da maior reserva fundiária, no âmbito do Programa Nacional de Habitação do Executivo “e as 46 casas inauguradas nas festas da cidade fazem parte de um projecto local”.
Cândida Narciso informou que nos próximos meses é feito o sorteio para a venda das primeiras casas e que o regulamento dá prioridade aos desmobilizados. A governadora, que fazia o balanço dos festejos do 54º aniversário da cidade de Saurimo, disse que as 46 casas inauguradas têm água, luz e estão mobiladas.
“As casas estão mobiladas, o morador só tem que levar as malas”, realçou Cândida Narciso, lembrando que a sensibilização vai começar esta semana para que os jovens conheçam o regulamento e se candidatem.
Em entrevista ao Jornal de Angola, Cândida Narciso informou que, além da idade (18 a 35 anos), os candidatos devem ter emprego estável e não podem ter em seu nome outra residência.
Falando da forma de pagamento, a governadora disse que inicialmente o candidato tem que pagar oito mil dólares de entrada e depois um pagamento mensal de 45 mil kwanzas, para completar o valor da casa avaliado em 40 mil dólares.
A construção é da responsabilidade do empreiteiro Sete Cunhas e a coordenação é feita pelo Governo Provincial e pelo Ministério da Juventude e Desportos. Cândida Narciso informou que foram postos à disposição da população outros espaços para autoconstrução, no bairro Cawazanga, dentro de Saurimo: “Muitos citadinos que aderiram ao projecto de autoconstrução já vivem nas suas casas”.
Referindo-se à construção de infra-estruturas, a governadora da Lunda-Sul disse que a construção de habitações vai chegar às zonas rurais. Maior atenção à Saúde e à Educação estão entre as prioridades dos projectos sociais para elevar a qualidade de vida das populações.
Cândida Narciso disse que os programas de desenvolvimento constam do programa central e que “estamos a cumprir um mandato do partido no poder que ganhou as eleições”.
Nos municípios de Cacolo, Muconda e Saurimo foram construídas escolas com 12 salas para o I Ciclo e centros de saúde. O município de Dala foi dotado com uma maternidade.
Actualmente, acrescentou a governadora, a população já compreendeu que para dispor de melhores condições de vida, deve apostar na formação, aumentando o nível de escolaridade.
Por essa razão, o Governo Provincial tem investido nos domínios da Saúde e Educação, “o que permite o combate à pobreza, visto que quando há maior nível de escolaridade a população pode melhorar a qualidade de vida”.
A governadora da Lunda-Sul apelou aos jovens para se dedicarem aos estudos, “porque uma pessoa que sabe ler está melhor informada”. 
Cândida Narciso disse que um outro aspecto que proporciona o desenvolvimento social é o investimento na agricultura, possibilitando a produção de alimentos suficientes para o consumo e para venda.

Fornecimento de água

O novo centro de captação, tratamento e distribuição de água entra em funcionamento em Outubro, permitindo que, na capital provincial, o consumo regular de água potável atinja as zonas urbanas e rurais. Para minimizar os problemas de distribuição de energia, a governadora da Lunda-Sul informou que está em construção uma nova central eléctrica dentro de Saurimo.
Cândida Narciso disse que com o aumento da capacidade de fornecimento da energia eléctrica, vai ser possível que um maior número de indústrias se instale na província, criando emprego para muitos jovens.
A aposta na agropecuária também faz parte dos planos do Governo Provincial. Há projectos para aumentar o número de cabeças de gado bovino e para adquirir instrumentos para a agricultura, dando resposta aos investimentos do Governo Central.

Produção de arroz

A Região Leste de Angola, que abrange as províncias do Moxico, da Lunda-Norte e Lunda-Sul, tem excelentes condições para o cultivo do arroz. Este ano foi relançada a produção, tendo a província da Lunda-Sul uma área de 600 hectares de cultivo, que vai aumentar nos próximos anos.
A comercialização do arroz é o grande problema para as autoridades da província, que pretendem montar uma fábrica de descasque de arroz para que o comércio seja mais fácil.
Cândida Narciso encorajou os empresários locais a investirem no arroz e nas máquinas de descasque. Disse que a falta de uma fábrica para descascar este produto básico da alimentação humana condiciona o arranque do projecto do cultivo de arroz, de forma mais alargada.
“A Lunda-Sul precisa de empresários que invistam nas fábricas de descasque do arroz e apostem no cultivo da mandioca, que nos oferece 67 produtos derivados”, realçou.
O projecto está integrado nos programas de combate à fome, por isso o governo da província vai pôr, ainda este ano, à disposição dos agricultores 40 mil quilos de sementes, com o intuito de reforçar a reserva de sementes em posse das famílias.
Para a governadora da Lunda-Sul, o cultivo de arroz vai ser prioridade por ser um dos produtos que, do ponto de vista económico e nutricional, tem múltiplos valores. Lembrou que o ananás na Lunda-Sul cresce de uma forma espontânea e que a cultura de outros produtos como milho e hortícolas pode contribuir para o crescimento económico e social do país, além do desenvolvimento da economia doméstica.

Pólo industrial

A criação de um pólo industrial foi, durante as festas da cidade de Saurimo, um tema que mereceu a atenção dos membros do Conselho Provincial. Segundo a governadora, neste momento o sector industrial está limitado à Sociedade Mineira do Catoca, que é “a grande fonte de financiamento público”, disse.
Mas existem pequenas indústrias ligeiras como panificadoras, serrações de madeira, produção de utensílios domésticos e materiais para a construção civil.
Cândida Narciso disse que a exploração de madeira é feita de forma artesanal. Faltam indústrias de grande porte para a exploração e transformação da madeira, uma das riquezas da província, além do manganés e do ferro.

Formação de quadros

Todas as aldeias da Lunda-Sul precisam de professores, porque a população reconhece a importância da escola. Esta informação foi prestada pela governadora da província. Mas, disse, a carência de quadros nota-se a todos os níveis, em função da falta de professores nos diferentes níveis de ensino.
Das 900 vagas que existiam, desde que assumiu o cargo de governadora, Cândida Narciso disse que 700 vagas já foram preenchidas, embora nem todos os candidatos reúnam todos os requisitos exigidos para exercerem a actividade pedagógica.
Reconheceu existir na província da Lunda-Sul um alto nível de analfabetismo, que preocupa o governo. Muitos professores com formação média fogem de trabalhar nas zonas rurais.
Além de escolas primárias, Saurimo, que tem 199 mil habitantes, alberga instituições do ensino médio, como a Escola Politécnica, a Escola Pré-Universitária. Tem igualmente o núcleo da Região Académica nº 4, da Universidade Lweji a Nkonda.
As estradas que ligam Saurimo ao Luena, ao Dundo e à República Democrática do Congo são as principais vias da Lunda-Sul que estão a beneficiar de obras.
A mais extensa é a que dá acesso ao Congo Democrático e que tem em construção 14 pontes ao longo do trajecto.
A Lunda-Sul tem uma área de 77.636 km² e a população aproximada de 524.000 habitantes. É limitado a Norte pela província da Lunda-Norte, a Este pela República Democrática do Congo, a Sul pela província do Moxico, e a Oeste pela província de Malange.

Cultura e desporto

O Cine Chipaca, local que acolhe as principais manifestações culturais e artísticas da cidade capital, foi modernizado pela Sociedade de Cinemas das Lundas (SociLunda), em 2008. Com 400 lugares, o espaço tem sido frequentado por músicos e bailarinos que participam em vários espectáculos.
A produção de máscaras e peçais artesanais preenche a actividade dos artistas plásticos. O incentivo para ampliar a produção do artesanato consta, também, dos planos do governo da província.
Muitos artesãos desenvolvem as suas aptidões no Centro Integrado Zwo Lietu, propriedade do Fundo Lwini. Neste centro, que reúne portadores de deficiência, os artistas têm como principal actividade a cestaria.
No domínio desportivo, a preocupação está virada para a criação de um campo de futebol de relva natural para que as equipas não desistam dessa actividade, à semelhança do que aconteceu com uma equipa da segunda divisão.
No decorrer das festas, a capital foi palco de uma prova de motocross com pilotos do Núcleo de Viana, que se deslocaram à Lunda-Sul, tendo os responsáveis prometido voltar para formarem pilotos.
A elevação da auto-estima da população da Lunda-Sul foi um dos objectivos das festas, segundo a governadora. “As festas da cidade serviram para aproximar, cada vez mais, os citadinos para melhor se conhecerem e ser criada uma relação mais afável entre governantes e cidadãos”, disse.

Tempo

Multimédia