Províncias

Dala tem grande potencial na área agrícola e florestal

João Salvo|Dala

As potencialidades agrícolas e florestais do município do Dala, na província da Lunda-Sul, aguardam por potenciais investidores para relançar o desenvolvimento da região, revelou ao Jornal de Angola o administrador adjunto da localidade.

Afonso Abreu esclareceu que as iniciativas para o investimento no município ainda são tímidas e apenas duas empresas privadas esperam pelo aval das autoridades para concretizarem um projecto de cultivo de arroz em grande escala, numa área de cerca de 15 hectares, nas localidades de Cuzumua e Cuvuma, a cerca de 70 quilómetros da vila do Dala.
Um outro projecto, da empresa Mahamba, para a exploração de madeira, começou já a desmatação de vastas áreas nas localidades de Luma 1 e Mualengue.
“Estes projectos são muito importantes, sobretudo porque se associam ao ambicioso programa de combate à pobreza das populações”, salientou, sublinhando que o “Dala é hoje um bom lugar para investir”.
O programa de combate à pobreza já permitiu a construção de um edifício para as repartições municipais, armazém, uma carpintaria comunitária, comando da Polícia Nacional, creche, lar de estudantes, hospital, morgue e duas casas geminadas para professores, de acordo com o administrador municipal adjunto.

Projectada nova escola

Na localidade de Cazowa, a 60 quilómetros da vila de Dala, foram instalados um posto médico e uma escola, enquanto a população de Biúla, a 20 quilómetros, aguarda por uma escola, já projectada, de sete salas de aulas.
Um centro turístico com 12 quartos e uma hospedaria com dez, erguidos à beira do Rio Dala são apenas alguns dos sinais de progresso que estão a chegar a esta vila. Hoje paragem obrigatória na pacata vila do Dala, o centro turístico do Txihumbué tem disponíveis serviços de restauração, bar, ginásio, salão de beleza e barcos de recreio para um passeio no rio.
O responsável do centro, Celestino Rafael, considera satisfatória a afluência de clientes, com um registo semanal de mais de três dezenas de hóspedes oriundos de diversas partes do país.
Quem visita a vila de Dala pode apreciar a beleza paisagística do Rio Tchiumbué, que concorre para as sete maravilhas de Angola, assim como as quedas do Cassengo, Cassanda e do Mombo.
O município do Dala pode, entretanto, impulsionar o desenvolvimento de toda a região leste de Angola com a conclusão da barragem hidroeléctrica sobre o Rio Dala.
As autoridades estão expectantes e aguardam a montagem do estaleiro da Sinohidro, a empresa que vai construir a barragem hidroeléctrica projectada para produzir mais de 12 megawatts.
O chefe da área técnica e infra-estruturas, Armando Mbaxa, garantiu ao Jornal de Angola que já está disponível o local para a montagem do estaleiro do material proveniente da China.
Na regedoria do Cazowa, a cerca de 60 quilómetros da sede municipal do Dala, o soba José da Silva Kassau realçou a construção de uma escola, sistema de abastecimento de água, posto de saúde, e pediu ao governo provincial a recuperação das estradas e chapas de zinco para a população.  “Precisamos de melhores  estradas para levar a produção para a vila”, disse.

Tempo

Multimédia