Províncias

Habitação social mora em Cacolo

Flávia Massua | Cacolo

As obras de construção das primeiras cem, das 200 casas previstas para o município de Cacolo, na Lunda-Sul, terminam em breve, anunciou a administradora Idalina de Fátima Issazol.

As casas sociais que vão albergar funcionários públicos foram visitadas pela governadora que inspeccionou as obras sociais em curso
Fotografia: Flávia Massua | Cacolo

A par das casas, salientou que estão igualmente a ser construídos um lar para estudantes com capacidade para cem camas, escolas para o primeiro e segundo ciclos e um condomínio com dez casas geminadas.
As instalações do sector da Justiça e do comando da Polícia constam também do pacote de acções de impacto social já instaladas na vila.Localizado a 145 da cidade de Saurimo, Cacolo tem cerca de 78 mil habitantes, maioritariamente camponeses, caçadores e pescadores.
A administradora de Cacolo fazia um resumo das festividades dos 79 anos da sede municipal, desde que a mesma foi elevada à categoria de vila, no dia 23 de Junho de 1934. As comunas de Alto Chicapa, Cucumbi e Chassenge compõem o município, que ocupa uma superfície de cerca de 15 mil quilómetros quadrados, apresentando um clima tropical húmido.
O regedor Armindo Satxicapo considerou que a vila tem registado um crescimento acelerado de desenvolvimento em vários sectores.
No domínio da expansão da actividade económica, Idalina de Fátima Issazol salientou que a vila sede conta com uma agência do Banco de Poupança e Crédito (BPC), um Balcão Único do Empreendedor (BUE), panificadora e 12 estabelecimentos comerciais, entre armazéns, lojas e similares.
Em cobranças de impostos, feitas ao longo do ano transacto, a administração conseguiu arrecadar mais de 12 milhões de kwanzas para os cofres do Estado. A governadora da província, Cândida Narciso, referiu que Cacolo “já demonstra sinais de maturidade”, em função do crescimento visível em várias esferas, cuja expansão de serviços abrange, de forma paulatina, todas as localidades. Durante a sessão de abertura da reunião com os administradores dos quatro municípios que compõem a Lunda-Sul, decorrida em Cacolo, a governadora Cândida Narciso destacou a necessidade da realização periódica de encontros  deste tipo, para permitir a troca de experiencias nos vários domínios. Esta posição foi apoiada pelos administradores municipais de Dala, João Txiculo Martins, e de Muconda, Francisco João, que defenderam maior interacção entre os gestores públicos.

Ensino e saúde mais próximos

A distribuição efectiva, desde o princípio deste ano, da merenda, em todas as escolas do ensino primário das sedes municipais da província da Lunda-Sul, está a impulsionar a ida regular das crianças às aulas.
Cândida Narciso salientou que uma das metas do Governo é cobrir todas as comunas e aldeias da província com a merenda escolar, uma vez que este processo ajuda a complementar a boa nutrição da criança e eleva a capacidade de percepção e ida regular à escola.
O processo de aproximação dos serviços de saúde está a contribuir para a diminuição de doenças e de mortes a nível da municipalidade, assegurou a administradora.
A par das melhorias no sector da Saúde, disse que a construção de escolas e os incentivos à agricultura, através da distribuição de sementes e artefactos, está a proporcionar o crescimento de cooperativas e associações camponesas.
Apesar dos avanços, salientou que o Governo está preocupado com a deficiência nas áreas da energia, água e reabilitação das vias secundárias.

Tempo

Multimédia