Províncias

Idosos em Saurimo falam do percurso da vida

Flávia Massua | Saurimo

O ancião Mariano Gingo Ekovongo é considerado, aos 68 anos, um “exímio”professor de moral e de valores patrióticos dos mais de 60 idosos que residem no lar de terceira idade, localizado próximo do Rio Muangeji, arredores de Saurimo.

No lar da terceira idade localizado nos arredores de Saurimo os utentes recebem afecto além de alimentação e assistência médica
Fotografia: Jornal de Angola |

A um mês do Dia Nacional do Idoso, Mariano Ekovongo contou ao Jornal de Angola as façanhas que protagonizou durante a guerrilha, onde ingressou com apenas 15 anos, e as recordações que guarda do convívio com companheiros como os comandantes Xietu, Gika e Hoji ya Henda.
Pai de dois filhos, que deixou há mais de 40 anos no Huambo, sua terra natal, diz que chegou a comandar tropas na comuna do Kassai-Sul, município do Muconda, depois de uma passagem pela Zâmbia e Argélia para formação.
Por falta de condições, o sonho de regressar para junto da família continua, por ora, adiado. “A minha família hoje é representada pelos meus colegas e amigos aqui neste lar”, diz, ao mesmo tempo que realça os projectos que estão a ser desenvolvidos pelo Governo Provincial para a dignificação dos idosos desamparados pela família, sob pretexto de práticas de feitiçaria.
Mariano explica que no lar os idosos recebem todo o afecto das assistentes, desde a alimentação, alojamento digno e outros incentivos, como a prática de exercício físico e de lazer. Depois de regularizada a sua situação junto da direcção dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, aguarda pela recepção do respectivo subsídio, para reconstruir parte da sua vida e, quem sabe, regressar à sua terra natal.

Preço da velhice


O semblante carregado de Matias Sambongo, outro ancião que reside no lar de terceira idade, traduz as agruras da vida por que passou depois de ser expulso pela família por supostas práticas de feitiçaria.
Aos 80 anos, Matias Sambongo está como que a pagar o preço da ingratidão de sete filhos que, diz, educou com bastante sacrifício. Acredita em dias melhores e sonha em construir uma casa onde pretende viver com os dois últimos filhos, de  nove e sete anos.
Diz que a ex-mulher pactua com as acusações que lhe são movidas pelos filhos e sobrinhos. “Perdi grande parte da minha juventude a trabalhar para criar e proteger a família, que hoje me despreza”, lamenta.
Canalizador reformado, quer continuar a transmitir a sua experiência aos mais jovens, e a ter o apoio do Governo para garantir o seu sustento.

Dia do idoso

O Dia Nacional do Idoso, a 30 de Novembro, vai ser assinalado na província da Lunda-Sul com um encontro destinado a discutir estratégias que desencorajem atitudes que levam ao abandono de pessoas acusadas de feitiçaria, visitas a várias instituições e obras sociais, partidas de futebol e passeatas nas artérias de Saurimo. O director interino da Assistência e Reinserção Social, Figueiredo André, revelou que na Lunda-Sul estão assinalados cerca de 15 mil idosos e realçou que as acusações de feitiçaria servem, repetidas vezes, para os familiares se apoderarem dos bens adquiridos pelos idosos com muito esforço. A frustração dos jovens, a infertilidade e morte nas famílias, entre outras, são as principais causas apontadas para a expulsão dos idosos do círculo familiar.

Tempo

Multimédia