Províncias

Novas infra-estruturas no município de Cacolo

João Salvo

A comunidade de Alto-Cavemba, no município de Cacolo, Lunda-Sul, conta com um novo estabelecimento de ensino primário com capacidade para mais de 250 alunos, e um posto de saúde, com oito camas insalados no âmbito de uma parceria estabelecida entre o Governo e Fundo de Apoio Social (FAS).

Fotografia: DR

O investimento da União Europeia permitiu igualmente a instalação, na localidade Txipamba, de um sistema de abastecimento de água que inclui três chafarizes.
As novas infra-estruturas foram inauguradas pelo governador da Lunda-Sul, Ernesto Kiteculo, no decorrer de uma jornada de campo, alusiva ao 84º  aniversário do município de Cacolo, assinalado no último domingo.
As comunidades, que aplaudiram a iniciativa, prometeram cuidar dos equipamentos postos à sua disposição e reiteraram o apelo ao Governo para lhes disponibilizar instrumentos de trabalho, chapas de zinco e energia eléctrica, além de reparar as vias de acesso ao interior do município.
Ao descrever a trajectória histórica de Cacolo, o administrador Nelson Wilsom Daniel, sublinhou que o município “tem passado por vários momentos socioeconómicos e culturais” importantes, mas  que, neste momento, precisa de uma intervenção urgente nos sectores da Energia e Águas, bem como a reparação das estradas secundárias e terciárias, de forma a interligar as três comunas do município, Alto-Chicapa, Xassengue e Cucumbi.  
O governador da Lunda-Sul reconheceu as inúmeras dificuldades que o município enfrenta, ligadas fundamentalmente à falta de água, energia eléctrica e postos de trabalho, principalmente para os mais jovens à procura do primeiro emprego.
Ernesto , que deixou mensagens de esperança à população, garantiu que o Governo está apostado na resolução graduals dos problemas. O município de Cacolo, onde decorrem várias acções de impacto social, para melhorar a qualidade de vida da população,  tem 15.402 quilómetros quadrados e mais de 36 mil habitantes, que se dedicam essencialmente à agricultura e ao comércio informal.

Tempo

Multimédia