Províncias

Paisagens naturais potenciam turismo

Camuanga Júlia e Flávi Massua | Saurimo

Anacleta Barros e Jaime Kindala, naturais de Kwanza-Norte e casados há semans, escolheram a cidade de Saurimo para passarem a sua lua-de-mel, no aldeamento turístico Princesinha.

Uma vista deslumbrante das quedas sobre o rio Txiumbwe no município de Dala um dos atractivos turísticos da província que quebra a monotonia dos nativos e estrangeiros apostados no lazer durante os finais de semana
Fotografia: Dombele Bernardo

Anacleta Barros e Jaime Kindala, naturais de Kwanza-Norte e casados há semans, escolheram a cidade de Saurimo para passarem a sua lua-de-mel, no aldeamento turístico Princesinha.
As reticências geradas pelo desconhecimento da língua cokwe, largamente valorizada pela população nativa, pouco constrange a comunicação na rua e mercados, onde a maioria fala e entende português.
Elogiam o clima, a variedade de produtos típicos, presentes em qualquer restaurante, particularmente a abundância de carne de caça nos mercados paralelos e a liberdade que gozam as galinhas do mato, domesticadas, ao circularem destemidas pelos bairros.
Com algum esforço aprenderam as palavras “menekenu e tua sakuila”, que em português traduz saudação e agradecimento, respectivamente, despertando olhares e curiosidades.
O aldeamento, no centro da urbe, o Tshisseke a sete quilómetros do primeiro e o Citende ca Zango, há cerca de 14, integram os locais de atracção turística com infra-estruturas onde os traços de urbanização e a natureza convivem de forma harmoniosa.
O turista respira ar puro num cenário dominado por “silêncio excessivo” interrompido pela chegada de viaturas ou pelo coaxar das rãs, em lagoas que dão uma vista deslumbrante e a sensação de relaxe para quem há muito conviveu com o asfalto e agitação, próprios das cidades.
A iniciativa de investimentos representa uma gota de água comparada com o potencial que a província detém. A natureza atrai o interesse dos nativos, como João Lopes e Guito do Nascimento. Eles defendem investimentos do género ao nível dos municípios do interior.
A aposta feita junto às quedas do rio Chiumbwe, à entrada da sede do Dala, responde de forma tímida às propostas e encoraja os indecisos.

Estratégias

Os pontos turísticos de Chiumbwe e Kassengo, no município do Dala, Sambuambua a cerca de 15 quilómetros da cidade de Saurimo e Luachi, a 70, figuram do quadro das áreas identificadas pelo sector de Comércio, Hotelaria e Turismo da Lunda-Sul como os ideais para o lazer e construção de projectos turísticos.
Favorecida pela sua localização estratégica, Saurimo representa a capital da região Leste onde as iniciativas no domínio hoteleiro levaram a construção de três unidades de referência em funcionamento, uma, de cinco estrelas em fase conclusiva e dezenas de pensões, pousadas e similares. Nas actuais circunstâncias o director local do Comércio, Hotelaria e Turismo, Manuel Segunda, entende que com alguns constrangimentos a província tem uma prestação acima da média, ao dispor de hotéis, cujas categorias vão de uma a três estrelas. O Solar Luboia, Princesinha e Kawissa, são exemplos palpáveis.
O titular interino do sector frisa que “a gestão realizada nestes empreendimentos indicia progressos na elevação da qualidade dos serviços e de esforços para contribuir a favor dos cofres de Estado através do pagamento de impostos”. Apontou a “necessidade dos empresários continuarem a investir no interior da província, para incentivarem os cidadãos a resgatar valores culturais, divulgando as paisagens que a província oferece”.

Tempo

Multimédia