Províncias

Pedida racionalização de recursos financeiros

João Salvo | Saurimo

A governadora provincial da Lunda Sul defendeu em Saurimo a racionalização dos recursos financeiros por parte dos gestores públicos, a fim de contribuírem para a melhoria da prestação de serviços.

Governadora provincial Cândida Narciso
Fotografia: Mota Ambrósio|Edições Novembro

Cândida Narciso, que falava durante a 1.ª sessão ordinária do Governo provincial, que serviu para analisar questões ligadas ao desenvolvimento da região, lembrou que a diminuição de recursos financeiros, em consequência da crise económica e financeira, impediu a concretização de vários projectos traçados pelo Governo.
Apesar da situação, a governadora reconheceu os esforços que têm sido empreendidos no sentido de inverter a situação e disse que o Governo continua a melhorar as condições de vida das populações.
Cândida Narciso afirmou que os parcos recursos disponíveis, neste exercício económico, devem ser canalizados para áreas sociais, em especial a Saúde, por ser mais sensível. No encontro, os participantes discutiram e aprovaram com emendas o calendário das reuniões do Governo provincial e das administrações municipais, efemérides e aniversários de vilas e cidades. Foi também apreciado o programa das comemorações do 56.º aniversário do Início da Luta Armada de Libertação Nacional, a 4 de Fevereiro. Os participantes tomaram conhecimento do balanço da primeira e segunda fase do registo eleitoral, do 1.º encontro regional sobre o movimento desordenado de crianças e adolescentes no “Corredor Leste”, além do VI Conselho Consultivo Alargado do Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação e do Relatório Africano de Desenvolvimento Humano 2016. Também tomaram conhecimento do balanço da Segurança Pública de 2016 e das receitas comunitárias arrecadadas durante o segundo trimestre do ano passado, avaliadas em mais de seis milhões de kwanzas. Tomaram ainda conhecimento do conteúdo de um projecto de produção de cana-de-açúcar e álcool e outro para o fabrico de equipamentos de medição de energia eléctrica, assinados entre a empresa angolana SOGESPRO Engenharia e Consultoria e a chinesa Guagnxi Liuzhou.

Tempo

Multimédia