Províncias

Má qualidade das obras preocupa administrador

Carlos Paulino | Menongue

O administrador do município de Menongue, João Chamba, está preocupado com a morosidade e a má qualidade das obras de reabilitação e requalificação das ruas da cidade.

Obras de reabilitação e requalificação interditam trânsito rodoviário
Fotografia: Manuel Pascoal

O administrador do município de Menongue, João Chamba, está preocupado com a morosidade e a má qualidade das obras de reabilitação e requalificação das ruas da cidade.
As obras, a cargo das construtoras Zagope e Edifer, num percurso de 16 quilómetros, começaram há dois anos e até ao momento nem 50 por cento está concluído, situação que deixa os munícipes e os automobilistas preocupados.
O administrador disse não compreender como é que as ruas ainda em obras já se encontrem degradadas nas zonas que foram arranjadas criando grandes embaraços na circulação rodoviária.
Sublinhou que nesta época de chuvas a situação piorou consideravelmente e que a Administração Municipal desconhece quando terminam as  obras.
“Estamos preocupados com esta situação e pensamos que devia ser resolvida o mas rápido possível, para facilitar o trânsito na cidade de Menongue”, disse João Chamba, acrescentando que a administração está de braços atados, pois a obra está a cargo do Governo Central.  João Chamba disse que para minimizar a situação, a administração vai notificar o Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA), para saber em que ponto é que as coisas vão e qual a sua responsabilidade, porque, com as chuvas que caem torrencialmente na cidade, a situação está a piorar e há a necessidade de uma intervenção urgente.
 
Saneamento básico

 
João Chamba lamentou o facto de alguns munícipes não contribuírem para o melhoramento do saneamento básico na cidade de Menongue o que, nesta época chuvosa, pode provocar o surgimento de epidemias.     
Destacou que a administração local já colocou cartazes publicitários nas artérias da cidade, onde apela à população para depositar os resíduos sólidos em locais e em horas apropriadas, com vista a facilitarem a recolha do lixo e a manutenção do saneamento básico.
“Nós estamos perante uma situação extremamente grave, porque a população não está ajudar, mas sim a dificultar o trabalho da administração, uma vez que todos os habitantes deviam depositar o lixo a partir das 18 horas e isto não acontece”, acrescentou. João Chamba salientou que quem vê a cidade de Menongue pensa que os serviços comunitários não têm estado a fazer absolutamente nada sobre a recolha de lixo. Mas todos os dias há limpeza nas ruas. A falta de organização de alguns munícipes na deposição dos resíduos sólidos cria grande quantidade de lixo nas principais artérias de Menongue. O administrador disse que o pessoal dos serviços comunitários passa todos os dias entre as sete e as oito da manhã para recolha e limpeza de lixo, mas às dez horas os mesmos locais que foram limpos têm outra vez lixo e quem passa pensa que administração nada está a fazer. Para inverter o quadro actual, sublinhou João Chamba, estão a ser ensaiadas todas as medidas possíveis, “no sentido de ver resolvida esta situação alarmante, porque da maneira como as coisas estão anárquicas, não há respeito pelas autoridades competentes”.
João Chamba apelou à população para depositar os resíduos sólidos em sacos e em locais apropriados.

Tempo

Multimédia