Províncias

Mais uma universidade na província de Malanje

Francisco Curihingana | Malanje

A Universidade Njinga Mbande abre em breve, para aglutinar as unidades orgânicas do ensino superior das províncias de Malanje e Cuanza- Norte, desintegrando-se da Universidade Luegi Ankonde.

Estudantes de Malanje e do Cuanza-Norte deixam de depender da Luegi Ankonde
Fotografia: DR

O anúncio foi feito pelo vice-governador de Malanje para o sector Político e Social, Domingos Eduardo, durante a cerimónia que marcou o baptismo de “caloiros” que ingressaram no ensino superior, na Faculdade de Medicina e na Escola Superior Politécnica de Malanje.
Segundo o governante, a criação da Universidade Njinga Mbande surge na sequência dos anseios das populações e é uma iniciativa do Ministério do Ensino Superior, para aproximar as unidades orgânicas, contrariamente ao que acontece actualmente, em que a Faculdade de Medicina de Malanje depende da Universidade Luegi a Nkonde, cuja sede está a mais de mil quilómetros, na província da Lunda-Norte.
O projecto, como disse, está avançado e “vem preencher um dos anseios, um dos grandes clamores da população académica e não só, da província de Malanje e do Cuanza-Norte”.
Em relação às infra-estruturas, Domingos Eduardo referiu que numa primeira fase vão ter de se adaptar às condições existentes, mas “há projectos do Ministério do Ensino Superior no sentido de melhorar e expandir as estruturas académicas. No programa de Investimentos Públicos para este ano económico estão previstas obras, no sentido de melhorar as condições estruturais do ensino superior”, realçou.
O governante não avançou datas para a implementação, limitou-se a dizer que está para breve a implantação da sede da região académica em Malanje, que vai catapultar a província no sentido de um Pólo Científico, um velho sonho dos malanjinos, que se reflecte dentro da visão estratégica do Governo da província e das instituições académicas.
“Já temos algumas bases, aqui mesmo na Faculdade de Medicina temos o Centro de Informação de Medicamentos e Toxicologia (CIMETOX), que pode ser a breve trecho um grande centro de investigação, o único em Angola, dos poucos em África nesta matéria”, realçou.
Apontou ainda o Instituto Superior de Tecnologia Agro Alimentar, cujas instalações estão em fase conclusiva, para além de outras sete instituições do Ensino Superior existentes, que podem constituir em breve a criação de um grande Pólo de desenvolvimento científico e académico.

Fluidez na informação

O director da Escola Superior Politécnica de Malanje, Infeliz Coxe, considerou a criação da Universidade Njinga Mbande mais-valia, na medida em que vai possibilitar fluidez da informação, assim como na interação entre os decanos das diferentes instituições do ensino superior das duas províncias, no caso de Malanje e Cuanza-Norte, contrariamente ao que se verifica com a sede da Universidade Luegi Ankonde que está situada na província da Lunda-Norte, a mais de mil quilómetros de Malanje.
Outra novidade, anunciada por Infeliz Coxe, tem a ver com a fusão proximamente do Instituto Superior Politécnico de Malanje e da Escola Superior Politécnica de Malanje, que acabam por ser simplesmente o Instituto Superior Politécnico de Malanje.
O Cuanza-Norte, por seu turno, vai ter, unicamente, o Instituto Superior Politécnico. “Este é um dos projectos do Ministério do Ensino Superior, no sentido de maximizar o capital humano e optimizar custos”, esclareceu Infeliz Coxe.

Tempo

Multimédia