Províncias

Mais licenciados no mercado

Victorino Matias | Dundo

Um total de 346 licenciados em Economia, Direito e Ciências da Educação, que terminaram a formação em 2016, foi colocado ontem no mercado de trabalho pela Universidade Lueji a´Nkonde, através das unidades orgânicas, sedeadas na província da Lunda-Norte, numa cerimónia presidida pelo governador Ernesto Muangala.

Governador Ernesto Muangala pede maior contributo dos recém-formados para o progresso da província
Fotografia: Benjamin Cândido | Lunda-Norte

Dos finalistas, constam 30 licenciados pela Faculdade de Economia, 24 outros da de Direito e 292 da Escola Superior Pedagógica da Lunda-Norte, que terminaram os cursos de Linguística Portuguesa e Inglesa, de Matemática, Ensino Primário, Ensino Especial, Biologia, Química e Física.
O reitor da universidade, Carlos Claver Yoba, considerou que o mercado de trabalho está mais rico com os novos professores, magistrados e economistas licenciados, formados pela IV Região Académica, na província da Lunda-Norte.
Avançou que o facto de 29,4 por cento da totalidade dos 346 licenciados serem do sexo feminino, expressa a timidez que esta camada da sociedade tem apresentado em frequentar o ensino superior.
Carlos Yoba falou que, a partir deste momento, deixa de ser responsabilidade da Universidade Lueji a’Nkonde avaliar o desempenho e o empenho dos referidos quadros e passa esta tarefa para a sociedade, que engloba as instituições públicas e privadas, entre elas a família, agentes religiosos, partidos políticos e outras estruturas existentes na província.
“Esta avaliação é para garantir a perenidade, a qualidade e o exercício profissional destes graduados tendentes à melhoria do funcionamento das referidas instituições”, enfatizou o reitor.
O governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, felicitou os finalistas por terem dado passos significativos, no que toca à formação profissional e académica, no sentido de contribuírem com o seu saber, para o desenvolvimento socioeconómico da província e do país, em geral.
“Se recuarmos no passado, todos os momentos da nossa vida foram de luta, de sacrifícios e de vitórias. Começámos com a construção da Escola Superior Pedagógica, que entrou em funcionamento, em 2004, e seus os primeiros formandos foram bacharéis e, na altura, a instituição era adstrita à Universidade Agostinho Neto”, explicou Muangala.
O governante lembrou que foi em 2009 que se criou a universidade pública Lueji a’Nkonde, com sede na cidade do Dundo, capital da Lunda-Norte, onde foi construído o internato para a escola superior e a biblioteca, para servir de apoio às unidades orgânicas pertencentes à IV Região Académica e, a partir daquela data, muitos licenciados foram postos no mercado de trabalho.

Novos cursos

O governador reconheceu que nem tudo foi feito ainda para o engrandecimento da universidade, sobretudo no que toca à implementação de mais cursos, tendo em conta as exigências do mercado no momento.
Ernesto Muangala avançou que as autoridades vão trabalhar para a abertura de mais cursos a nível da instituição, tendo garantido que, para o município do Cuango, através da Escola Superior Politécnica, vai ser ministrado, no próximo ano académico, o curso de Gestão e Recursos Humanos.
Outros cursos para outras unidades orgânicas estão a ser avaliados com a reitoria da universidade e com o Ministério do Ensino Superior, para que possam ser implementados em breve.
O governador disse que Angola vive um momento de festa, não só para os licenciados, mas porque inicia hoje, num período de um mês, a campanha eleitoral, onde os cinco partidos políticos e uma coligação vão fazer de tudo para conquistarem a simpatia e o voto dos angolanos.
Disse que, entre políticos, existem adversários mas não inimigos, uma vez que todos são de uma única mãe, que se chama Angola. “Vamos continuar a mostrar a África e ao mundo que, de facto, os angolanos são especiais”, enfatizou Muangala.

Pós-graduação é necessária

Nelito Muhunga, finalista do curso de Pedagogia, agradeceu os esforços da reitoria e do governo provincial para a implementação de cursos superiores, apelando para que seja ministrado o curso de pós-graduação.
Considera que começa agora uma nova batalha, virada para a formação do homem e da sociedade, assegurando que o país pode contar consigo para os desafios que se avizinham. Manifestou-se satisfeito com a qualidade dos professores disponibilizados, daí sentir-se preparado para trabalhar em qualquer parte.

  Estudantes limpam cidade de Menongue

Uma campanha de arborização e de prevenção contra a sinistralidade rodoviária vão decorrer em Menongue, dentro dos próximos dias, no quadro de uma excursão realizada por 58 estudantes e quatro docentes da Faculdade de Economia da Universidade Katyavala Bwila de Benguela a capital do Cuando Cubango.
A decorrer sob o lema “Por uma Universidade ao benefício da comunidade, juntos somos capazes”, esta é a sexta excursão que os estudantes realizam no país e, durante cinco dias, estão ainda agendadas visitas em locais turísticos e projectos agrícolas, incluindo uma para o município histórico do Cuito Cuanavale.
Desde quarta-feira, os estudantes e professores da Faculdade de Economia têm estado a realizar uma série de actividades desportivas e culturais, no âmbito das trocas de experiência com os discentes e professores da Universidade Cuito Cuanavale, no domínio académico e cultural.
Durante a sexta excursão realizada pelos estudantes da Universidade Katyavala Bwila a nível do país estão ainda reservadas palestras sobre o papel da juventude e do desporto na mobilidade social, assim de promoção das potencialidades e desafios do agro-negócio em Angola.
Estão também previstas abordagens sobre temas relacionados com as fontes de financiamento e organização contabilística, um modelo familiar para a diversificação da economia e o papel da política monetária do Banco Nacional de Angola (BNA) no combate ao choque petrolífero de 2014-2015.
O vice-governador provincial para o sector Económico e Produtivo, Ernesto Kiteculo, que manteve um encontro de cortesia com o grupo de excursionistas da Universidade Katyavala Bwila, agradeceu o gesto por estes terem escolhido o Cuando Cubango para a realização da actividade.

Tempo

Multimédia