Províncias

ADRA cria plano de advocacia social

Luísa Victorino Malange

O presidente do conselho directivo da Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), Guilherme Santos, anunciou na sexta-feira, em Malange, que o plano estratégico da instituição para o quadriénio 2012-2016 vai contemplar um programa de advocacia social e metodologias de intervenção para assessorar as administrações municipais.

O programa de advocacia social vai possibilitar influenciar políticas públicas
Fotografia: António Soares

O presidente do conselho directivo da Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), Guilherme Santos, anunciou na sexta-feira, em Malange, que o plano estratégico da instituição para o quadriénio 2012-2016 vai contemplar um programa de advocacia social e metodologias de intervenção para assessorar as administrações municipais.
Este programa de advocacia social, que também envolve as organizações comunitárias, vai possibilitar influenciar as políticas públicas para o desenvolvimento da ADRA, de acordo com a nova dinâmica de actuação da sociedade civil.
O presidente do conselho directivo explicou ainda que a execução do plano depende da discussão e aprovação do documento, que vai ser submetido à Assembleia Nacional, no próximo mês de Julho.
Guilherme Santos fez estas declarações durante o encerramento da formação sobre desenvolvimento rural, dirigida aos técnicos ligados à agricultura, segurança alimentar, apoio ao processo de descentralização, crédito, género e VIH-Sida.
Durante a formação, foi também recomendada a realização de mais ciclos sobre o programa de crédito agrícola de campanha, que visa apoiar as associações de camponeses.
No seminário, com duração de quatro dias e promovido pela ADRA, os participantes analisaram temas relacionados com a capacitação em técnicas de assessoria às organizações agropecuárias, advocacia social e escolas de campo.
As metodologias modernas de extensão rural, o processo de planificação estratégico da ADRA para o quadriénio 2012/2016 e o aprofundamento da metodologia de trabalho constaram igualmente dos temas abordados no seminário.
A responsável provincial para a área de projectos da ADRA, Joana de Matos, destacou a importância da formação, acrescentando que a mesma serviu para analisar a intervenção da organização e os próximos desafios.
Joana de Matos disse que o seminário permitiu igualmente actualizar os técnicos sobre a realidade socioeconómica e as políticas institucionais vividas pela população, principalmente nas suas áreas de intervenção.

Tempo

Multimédia