Províncias

Agricultura para o mercado integra milhares de famílias

A coordenadora do Projecto da Agricultura Familiar Orientado para o Mercado (MOSAP), Júlia Grave, revelou ontem na comuna de Calussinga que mais de oito mil famílias do Bié, Malanje e Huambo integradas no Projecto beneficiam, desde 2012, de inputs agrícolas, visando aumentar o cultivo de terras.

Projecto visa conceder financiamento e formar camponeses sobre a preparação de terras
Fotografia: João Gomes

No quadro do programa de luta contra a pobreza, o programa visa atingir dez mil famílias camponesas até ao final deste ano.
Júlia Grave disse que o projecto tem como objectivo principal conceder financiamentos e formar os camponeses com matérias sobre a preparação de terras, utilização dos fertilizantes, tratamento do gado de tracção animal, transformação de produtos do campo, entre outros métodos.
O MOSAP foi criado para aumentar a produção do milho, feijão, mandioca e outros bens, assim como a criação de animais de grande, médio e pequeno porte no seio das famílias camponeses.
O projecto MOSAP é uma iniciativa do Ministério da Agricultura, financiado pelo Banco Mundial e Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), tendo como grupo alvo os agricultores familiares com uma média de área de cultivo sem irrigação entre um a dois hectares.
Estes camponeses com terrenos de dois hectares devem apresentar sinais de que podem expandir este espaço para 2,5 hectares, para beneficiarem do projecto.
No âmbito do MOSAP, em 2013, foram já distribuídas aos camponeses do Bié, Huambo e Malanje 867 cabeças de gado bovino, 420 charruas, 239 toneladas de semente de batata rena, 14 toneladas de feijão manteiga e 204 de fertilizantes diversos.
Júlia Grave referiu igualmente que foram distribuídas três toneladas de milho, 16 moagens, 300 quilos de fungicida e 16 pulverizadores.

Tempo

Multimédia