Províncias

Água potável volta a jorrar das torneiras de Cahombo

Venâncio Victor | Malange

Mais de três mil habitantes da sede municipal de Cahombo,  na provínciade Malange, beneficiam, desde segunda-feira, de um sistema de abastecimento de água potável com capacidade para bombear 28 mil litros de água por hora, a partir do rio Muola, cerca de um quilómetro da vila.

A reparação do sistema paralisado há anos faz parte das iniciativas do Executivo
Fotografia: Genivaldo da Fonseca | Malange

Mais de três mil habitantes da sede municipal de Cahombo,  na provínciade Malange, beneficiam, desde segunda-feira, de um sistema de abastecimento de água potável com capacidade para bombear 28 mil litros de água por hora, a partir do rio Muola, cerca de um quilómetro da vila.
Construído no âmbito do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza, o sistema possui reservatório com capacidade para 50 mil litros.
O chefe do departamento provincial da Energia e Água, Luís Neto, disse que com o  novo sistema, a sede municipal do Cahombo passa a ter uma rede de distribuição de água de cinco fontanários.
O vice-governador para o Sector Técnico e Infra-estruturas, Conceição Cristóvão, explicou que a recuperação do sistema que esteve paralisado há 30 anos faz parte das preocupações do Executivo para a melhoria das condições de vida das populações. Com a entrada em funcionamento do sistema de abastecimento de água potável, disse o responsável, a população deixa de consumir água imprópria que retiravam directamente das cacimbas ou percorrer longas distâncias a procura do precioso líquido.
Em Cahombo, Conceição Cristóvão inaugurou duas residências do T3 para enfermeiros e uma T6 para os funcionários da Administração Municipal, e inspeccionou as obras de construção de uma escola com 12 salas, do primeiro ciclo e dos 200 fogos habitacionais.
O vice-governador deixou orientações expressas aos empreiteiros para a conclusão das obras que registam um ligeiro atraso.
O município de Cahombo, que integra a vasta região da Baixa de Cassange, tem uma população estimada em 18 mil habitantes que na sua maioria dedica-se a agricultura. Possui uma extensão de 5.295 quilómetros quadrados e faz fronteira com os município de Marimba, Kiwaba Nzonge, Kunda-dya-Base e Calandula.

Tempo

Multimédia