Províncias

Aposta de Malanje nas mini-hídricas

Venâncio Víctor | Malanje

O Governo Provincial de Malanje  lança em breve um programa de aproveitamento das potencialidades dos cursos de rios de grandes caudais para a construção e recuperação de mini-hídricas,  anunciou no sábado o director provincial da Energia e Águas.

Mini-hídricas têm grandes vantagens devido à sua capacidade de alimentar vários sistema isolados e apoiar projectos agrícolas
Fotografia: Eduardo Cunha

Jacinto Caculo falava no termo da visita de constatação à antiga mini-hídrica do rio Cuanza, no município de Cangandala  por responsáveis da empresa alemã Lahmeryer.  “As  mini-hídricas têm grandes vantagens, porque têm capacidade de alimentar sistemas isolados”, disse Jacinto Caculo, que explicou que a recuperação da mini-hídrica de Cangandala, construída no tempo colonial, “é salutar”, pois pode alimentar projectos de investidores privados de natureza agro-industrial, principalmente os que queiram actuar no sector da energia, onde o excedente do produto pode ser injectado ou vendido à rede pública de distribuição de energia.
Jacinto Caculo afirmou que as infra-estruturas físicas da  hídrica estão em bom estado de conservação e o Governo quer atrair investidores nacionais ou estrangeiros para viabilizar a infra-estrutura com o objectivo de abastecer a sede municipal de Cangandala e arredores.“A empresa Lahmeryer é uma projectista, tendo participado da Primeira Conferência Internacional de Promoção de Investimentos para a província de Malanje, realizada ano passado”, disse Jacinto Caculo, que acrescentou que a empresa foi convidada  a aconselhar o Governo local e o Ministério da Energia na realização de estudos de viabilidade. A visita de constatação da empresa alemã, explicou Jacinto Caculo, é a primeira consequência da conferência internacional de promoção de investimentos para a província, em que foram apresentadas aos investidores as potencialidades e as prioridades do Governo na captação de investimentos nacionais e estrangeiros.
 No sector da Energia, o Governo Provincial  definiu como prioridade o investimento no domínio das mini-hídricas como uma das estratégias de melhoramento da produção energética, disse Jacinto Caculo, que acrescentou: “Existem vários projectos que visam o fornecimento de energia, numa altura em que o sector está a actuar em diferentes seguimentos de acordo com as fontes de produção”.
Jacinto Caculo disse que constam da lista de  prioridades, para este ano, vários programas que visam garantir a regularidade na produção e distribuição de energia a partir da central hidroeléctrica de Capanda. 
“A nível do município-sede houve um reforço da capacidade de energia, devido a entrada em funcionamento, em Setembro do ano transacto, da nova central térmica de Malanje, que produz 19.6 megawatts”.  A esses 19.6 megawatts juntam-se os outros 12 megawatts da barragem de Capanda, além da energia da Companhia de Bioenergia de Angola.

Tempo

Multimédia