Províncias

Caculama regista progressos sociais

Sónia Maria | Caculama

Várias obras sociais estão a ser erguidas em toda a extensão do município de Caculama, no âmbito dos programas de melhoria da qualidade de vida das populações daquela parcela de Malange.

Balcão Único do Empreendedor inaugurado na vila de Caculama proporciona aos jovens a criação célere do seu próprio negócio
Fotografia: Filipe Eduardo

Várias obras sociais estão a ser erguidas em toda a extensão do município de Caculama, no âmbito dos programas de melhoria da qualidade de vida das populações daquela parcela de Malange.
Neste momento, 25 dos 200 fogos habitacionais em construção já foram concluídos, numa altura em que as obras de 50 casas evolutivas também decorrem a ritmo acelerado.
Foram igualmente construídos, entre outros empreendimentos, uma sala de partos, com capacidade de internamento de quatro camas, três postos da Polícia, um centro de saúde de referência, cinco escolas, um mercado rural, condomínio residencial e as instalações da repartição municipal de Educação.
Actualmente, as principais ruas de Caculama têm iluminação pública através de placas solares.
No município de Caculama, segundo dados da administração local, foram construídas quatro residências para os quadros da Saúde, e foi reabilitado e apetrechado o centro médico da comuna do Muquixi, que tem capacidade para 50 camas.
Ainda no capítulo da Saúde, as autoridades ampliaram a rede do município com mais quatro postos, um centro de saúde e um hospital municipal de referência, este com capacidade para 100 camas.
As autoridades administrativas referem que a municipalidade, que tem 42.700 habitantes, precisa de mais técnicos, uma vez que os serviços sanitários são assegurados por 39 funcionários, sendo apenas seis médicos (um angolano e cinco cubanos), enfermeiros e pessoal de apoio hospitalar.
A administração considera que o abastecimento de água potável ao município ainda é deficiente, daí o apelo para que aquela parcela da província beneficie do programa “Água para Todos”.

Registo civil

Mais de 20 mil pessoas, cerca de metade dos habitantes do município de Caculama, na província de Malange, vão ser registadas nos próximos tempos, no âmbito da nova dinâmica imprimida pela delegação local do Registo Civil.
O delegado municipal do serviço, João Adão, disse ontem que o elevado número de habitantes sem documentação, está a preocupar as autoridades, daí a necessidade de se acelerar o processo.
O objectivo, uma directiva do Governo Provincial, é atingir o maior número de pessoas, com particular realce para as zonas rurais. A massificação do registo e a atribuição do Bilhete de Identidade às populações das comunas de Muquixi e Caxinga estão entre as prioridades do Registo Civil.
A delegação municipal de Caculama registou, no quadro de uma campanha de atribuição de cédula pessoal, levada a cabo nos últimos dois meses, 30 crianças e 225 adultos. João Adão pediu aos funcionários do Registo Civil para prestarem um serviço de qualidade e com celeridade, para facilitar a vida dos munícipes das periferias, que percorrem longas distâncias à procura dos serviços, pagando custos elevados pelos emolumentos. Além disso, atribui o elevado número de munícipes sem documentação ao facto de muitos desconhecerem ou desvalorizarem a importância do registo e do Bilhete de Identidade.
As pessoas com idades entre zero e 17 anos estão isentas do pagamento de quaisquer emolumentos.

Tempo

Multimédia