Províncias

Comboio de Malange de regresso aos carris

Adalberto Ceita e André Brandão|

Um comboio de passageiros do Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL) chegou, na segunda-feira, à cidade de Malange, proveniente da estação do Baia, no quilómetro 30, em Viana.

Comboio depois de 20 anos volta a apitar na província de Malange para alegria das populações e principalmente dos comerciantes
Fotografia: João Gomes

Um comboio de passageiros do Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL) chegou, na segunda-feira, à cidade de Malange, proveniente da estação do Baia, no quilómetro 30, em Viana.
O comboio - locomotiva e mais cinco carruagens -, que saiu às 5h30, fez paragens nas estações de Catete, Barraca, Zeza do Itombe, Dalahui, Luinha, Canhoca, Ndalatando, Lucala, Cacuso e chegou à estação de Malange pouco antes das 21h00, percorrendo 388 quilómetros.
Por se tratar de uma viagem experimental, os maquinistas não excederam os 40 quilómetros por hora. 
O presidente do Conselho de Administração do CFL, Lobo do Nascimento, disse que a viagem teve como objectivo avaliar o estado operacional da linha férrea, do sistema de comunicações Zenza–Ndalatando–Malange e visitar as novas estações.
Os comboios deixaram de circular para província de Malange há 18 anos devido ao reinício do conflito armado.
Lobo do Nascimento afirmou que a administração do CFL prevê que o comboio de carga em funcionamento efectivo em Agosto.
“A entrada em funcionamento do comboio de carga visa também dar a estabilidade necessária ao canal ferroviário e as demais estruturas da linha. Em Novembro próximo está previsto o funcionamento do comboio de passageiros”, declarou. A passagem do comboio pelas várias localidades foi saudada pelos populares que agora acreditam num futuro melhor, principalmente, a nível do comércio.
Para trás, dizem, fica a imagem de sofrimento e de prejuízos devido aos produtos apodrecidos por falta e escoamento.
O empreiteiro da obra de reabilitação da linha-férrea disse, ao Jornal de Angola, que, ao longo do trajecto que lioga  Baia a Malange, foram substituídas todas as travessas e carris e construídas e reconstruídas pontes e pontões. A linha está sólida e o canal ferroviário é novo.

Chegada a Ndalatando

Depois de 18 anos, os Caminhos-de-Ferro de Luanda (CFL) voltaram a fazer chegar o comboio a Ndalatando, capital da província de Kwanza-Norte. A primeira viagem experimental aconteceu na última segunda-feira.O comboio, que partiu de Luanda às cinco horas da manhã, chegou à cidade de Ndalatando por volta das 12h40. Antes fez paragens nas estações do Zenza do Itombe, Canhoca e Luinga, onde os técnicos dos CFL aproveitaram para analisar as condições das estações.O administrador para área das finanças dos CFL, Abel Lopes, informou que a primeira viagem experimental do comboio a Ndalatando visou analisar igualmente as condições da via. A partir de agora, o transporte de combustíveis para o Kwanza-Norte está garantido e, nos próximos tempos, cargas gerais e passageiros também vão começar a ser transportados.
Abel Lopes disse que apesar de estar satisfeito com o estado da linha, ficou preocupado com a destruição de alguns componentes de sinalização, como os semáforos, em determinadas áreas do percurso.O responsável dos CFL informou que está em marcha um projecto de vedação de toda a área da estação de Ndalatando para evitar que haja circulação de pessoas estranhas dentro do circuito interno, para evitar acidentes e actos de vandalismo.
Os CFL vão propor ao Governo Provincial para acabar com os mercados e praças existentes ao longo da linha.Abel Lopes disse ainda que está a ser feito um trabalho de requalificação do pessoal mais antigo dos CFL e está a decorrer uma análise das suas condições físicas para determinar quais são os que ainda podem continuar a trabalhar.
O governador provincial do Kwanza-Norte, Henrique André Júnior, disse que a entrada em circulação do comboio vai proporcionar melhores condições de vida às populações e fazer com que a economia possa fluir nos mais variados sectores.O corredor de Luanda, acrescentou governador, é uma esperança na redução dos encargos com o transporte de produtos do campo para a cidade e de mercadorias da capital para a província.
 O troço ferroviário entre Luanda e Ndalatando foi construído entre os anos de 1886 e 1889.

Tempo

Multimédia