Províncias

Comuna de Cateco Cangola enfrenta problemas de água

Adelino Ngunza | Malange

As populações da comuna de Cateco Cangola, cerca de 105 quilómetros da sede municipal de Calandula, estão a debater-se com a falta de água para realizarem diversas actividades, desde que o rio Sole secou.

A administradora comunal adjunta de Cateco Cangola, Maria Augusta Armindo, salientou que a falta de chuva fez secar o rio, o que está a criar grandes dificuldades no abastecimento do produto aos habitantes da região, por ser a principal fonte de abastecimento.
Maria Arminda disse que, neste momento, a população é obrigada a percorrer longas distâncias para ter acesso, a partir de outros rios de maior caudal, como são os casos do Quiginge e Munene.
A administradora comunal adjunta referiu que a situação que a população vive actualmente foi já comunicada às instâncias administrativas do município. “Enquanto isso, as pessoas continuam a madrugar para conseguir água de outros rios”, lamentou.
O técnico de manutenção da central de captação de água da comuna, Caetano Graciano Bernardo, disse que o facto já dura há mais de 15 dias, uma vez que o sistema de bombeamento não funciona, em função do caudal do rio secar.
Caetano Bernardo adiantou que antes do rio secar, a comuna também vivia já dificuldades no bombeamento de água para o reservatório de 50 mil litros, por o carneiro reparado por uma empresa portuguesa ter avariado há mais de um ano.
O responsável disse que a empresa já foi notificada, mas os seus gestores principais não se encontram no país. “O facto é do conhecimento do Governo provincial, que já liquidou na totalidade o pagamento para a recuperação do referido carneiro, que serviria a população da comuna no tocante ao abastecimento de água”.
A comuna de Cateco Cangola tem mais de 13 mil habitantes, na sua maioria crianças em idade escolar e idosos, cuja actividade principal é a agricultura de subsistência familiar.

Tempo

Multimédia