Províncias

Cuale carece de docentes

Venâncio Victor | Malanje

O sector da Educação na comuna do Cuale, a cerca de 109 quilómetros da sede municipal de Calandula, em Malange, necessita de pelo menos mais 150 professores, para reforçar o quadro docente na região.

O sector da Educação na comuna do Cuale, a cerca de 109 quilómetros da sede municipal de Calandula, em Malange, necessita de pelo menos mais 150 professores, para reforçar o quadro docente na região.
O administrador comunal, Ernesto Manuel, esclareceu que a comuna possui apenas 40 professores, número irrisório face às necessidades do sector.
A comuna do Cuale dispõe de uma rede escolar composta por sete estabelecimentos de ensino de carácter definitivo e nove outras, provisórias, construídas com a ajuda da comunidade. Em algumas localidades da comuna não existem professores nem escolas.
Ernesto Manuel confirmou as informações segundo as quais no sector do Luquinje, a 72 quilómetros da sede comunal do Cuale, não existem professores desde a década de 80, devido às péssimas condições da via de acesso a essa localidade.
A região está mesmo a ficar despovoada, devido à falta de bens e serviços, pelo que as populações preferem deslocar-se para o município de Cahombo à procura de melhores condições de vida.
O administrador comunal revelou ao Jornal de Angola que 3.466 crianças em idade escolar estão fora do sistema de ensino, por falta de professores e de escolas.
Relativamente ao sector da saúde, os problemas não diferem muito dos da educação. A comuna conta apenas com um posto médico, que vai juntar-se a um novo centro de saúde, que aguarda por apetrechamento e inauguração. 
Ernesto Manuel destacou ainda a construção de dois postos de saúde no sector de Buaca e na localidade de Tunda, no âmbito do
Programa de Investimentos Públicos (PIP).
A reabilitação do troço que liga a Missão Católica do Cuale ao sector do Luquinje consta das acções prioritárias do governo provincial, para o próximo ano.

Tempo

Multimédia