Províncias

Famílias em risco de perder colheitas

Venâncio Víctor| Malanje

Mais de cem mil famílias camponesas de Malanje correm o risco de perder as  culturas da mandioca, por causa de uma praga, revelou ontem o director provincial da Agricultura, Desenvolvimento Rural, Pesca e Ambiente.

 

 

O Governo Provincial de Malanje disponibilizou tractores e alfaias para serem utilizados pelos camponeses para diversificar as culturas
Fotografia: WWW.JAIMAGENS.COM

João Manuel assegurou que um vasto programa de acção, para combater a praga da virose da mandioca, está já a ser levado a cabo pelo Governo Provincial de Malange, uma vez que se prevêem prejuízos avultados para os camponeses e suas famílias.
O director provincial salientou que o programa envolve técnicos especializados em mandioca, principalmente quadros dos institutos de Investigação Agronómica e de Desenvolvimento Agrário (IDA).
O Governo Provincial lançou um programa de reconversão da cultura da mandioca, que consiste na destruição das plantas afectadas, devendo ser substituídas por estacas de plantas melhoradas e resistentes à virose.
Os vestígios da virose da mandioca, vistos pela primeira vez nos campos de cultivo do município de Cambundi Catemnbo, em 2009, a­fectam principalmente a região sul e nordeste da província, que inclui os municípios de Luquembo, Quirima, Cambundi Catembo, Massango e Quiuaba Nzoje.
O director provincial da Agricultura de Malanje disse que o Governo está preocupado com a situação, porque a mandioca constitui um dos principais alimentos da dieta alimentar da população local. João Manuel assegurou que estão em curso trabalhos para inverter o actual quadro, evitando a propagação da doença. Anunciou a criação de cinco grupos de técnicos especializados na mandioca, que vão actuar nas zonas afectadas.
A virose da mandioca é uma doença provocada pela “mosca branca”, que com a sua picadela, seca as folhas da planta, o que impede a realização do processo da fotossíntese e o desenvolvimento. O Governo Provincial disponibilizou tractores e alfaias, para serem utilizados em Malanje e Cacuso.

Cesta básica


O director local da Agricultura disse estar em curso uma campanha de sensibilização junto dos camponeses e agricultores, para a necessidade de destruírem todas as plantas afectadas para que dentro de três a quatro anos, existam plantas melhoradas em toda a província.
João Manuel garantiu que o Governo Provincial de Malanje está a fazer um levantamento do número real das famílias afectadas, para possam beneficiar de cestas básicas, com vista a minimizar as dificuldades.

Tempo

Multimédia