Províncias

Governo de Malanje toma medidas de prevenção

Francisco Curihingana| Malanje

O Governo Provincial de Malanje anunciou, terça-feira, um conjunto de medidas para prevenir a entrada no país, a partir da fronteira entre os municípios de Massango e Marimba com a República Democrática do Congo, do vírus do ébola.

Técnicos de saúde dos municípios da província de Malanje estão a ser preparados para lidar com eventuais casos do ébola
Fotografia: AFP

O coordenador adjunto da comissão provincial de Protecção Civil, comissário António Bernardo, disse que os 147 quilómetros da fronteira fluvial que a província de Malanje tem com o Congo Democrático, onde já foi confirmada a epidemia, são motivos suficientes para constituir preocupação e tomar todas as medidas necessárias, com vista ao reforço da vigilância ao longo da fronteira.
Disse também que vão intercambiar tais medidas com os governos provinciais das Lundas Norte e Sul para propiciar à população informação suficiente, para além de mobilizar as forças e os meios disponíveis no sentido de fazer face à epidemia.
Durante a reunião, os presentes passaram em revista questões que se prendem com o comércio fronteiriço e com a transferência de víveres dum lado para o outro da fronteira, fundamentalmente do Congo Democrático para Angola. Por isso, foram definidos os locais apropriados para a travessia.
Às administrações municipais, que são membros da Protecção Civil, foi-lhes dada a indicação para que nos seus municípios criem não só as áreas de quarentena, como também as zonas de isolamento para que, em caso de identificação de qualquer cidadão contaminado pela doença, possa o mesmo ser encaninhado para esses locais.
António Bernardo anunciou que, nos próximos dias, os órgãos mobilizados vão começar a dirigir-se para as áreas indicadas, fazer a montagem dos postos de travessia e mobilizar as forças para um rigor superior no patrulhamento e também na detenção de pessoas que eventualmente queiram, nesse período, entrar ilegalmente na província.
Quanto aos estudantes, foram igualmente tomadas medidas de precaução, tendo sido indicada a direcção provincial da Educação no sentido de mobilizar os professores e os alunos para a campanha de sensibilização.Relativamente à casos de crianças angolanas que partilham a fronteira com a República Democrática do Congo e a estudarem naquele país, vão ser criados grupos de saúde, que devem possibilitar o controlo das pessoas antes de entrarem em contacto com a comunidade.
Às administrações municipais foi recomendada a necessidade de trabalharem com as autoridades tradicionais, igrejas e outras instituições no sentido de fazerem circular a informação sobre a forma como é dado o tratamento aos cadáveres.

Atendimento seguro

A representante da direcção provincial da Saúde, Yolanda Mote, disse que a instituição está a capacitar e a formar os quadros face à situação da doença, assim como cria localidades para um atendimento seguro de eventuais casos.
A responsável adiantou que foram já realizadas várias acções de formação, não só para os profissionais de saúde, mas também para os quadros das Forças Armadas (FAA) e da Polícia Nacional.
Neste momento, disse que estão a criar condições para expandir a informação para toda a população, utilizando vários meios para isso, como são os casos das igrejas, autoridades tradicionais, entidades comerciais, entre outras sensibilidades. Yolanda Mote referiu que as administrações municipais, principalmente as que fazem fronteira com a República Democrática do Congo, estão informadas sobre as medidas a tomar.
O município de Marimba, acrescentou, com quatro entradas, tem unidades sanitárias, umas coordenadas pela Polícia Fronteiriça e outras pela direcção provincial da Saúde.  Com relação aos equipamentos, disse que as administrações municipais de Malanje estão a ser orientadas para equipar as salas que vão ser utilizadas para as quarentenas e isolamento, assim como para a biossegurança dos próprios técnicos.

Tempo

Multimédia