Províncias

Governo e privados apostam na saúde

Venâncio Victor| Malanje

A primeira Escola Comparticipada de Formação de Técnicos Médios de Saúde (ECFTS), na província de Malanje, entrou ontem em funcionamento, para leccionar os cursos de enfermagem, análises clínicas e farmácia.

Centenas de jovens interessados em cursos ligados ao sector da Saúde deixam de percorrer longas distâncias para estudar
Fotografia: Eduardo Cunha

Baptizada de Jardim do Éden, a infra-estrutura, no bairro da Maxinde,   acolhe 1.400 alunos, repartidos em três turnos.
O director da escola, Cristóvão Tomás Manuel, disse que a instituição junta-se a uma outra escola pública de formação de técnicos de Saúde em Malanje e explicou que a ideia é diminuir o défice da procura do curso de Saúde a nível da província e reforçar o sector, que carece de muitos técnicos.
 “Temos constatado um elevado número de candidatos que disputam as vagas dos cursos de Saúde nas escolas públicas da província, daí a abertura desta escola para permitir que mais alunos tenham acesso fácil e que consigam materializar o sonho de salvar vidas”, salientou. Dos cursos a leccionar pela instituição, destaca-se o de enfermagem, com 720 alunos.  
O empreendimento dispõe  de laboratório de anatomia, fisiologia, enfermagem, informática e química. As aulas são dadas por 64 docentes.  
O director Provincial da Saúde, Pedro José António, garantiu total apoio às iniciativas privadas, por serem um parceiro importante do Estado, e explicou que a escola Jardim do Éden, além da formação de enfermeiros, lecciona outras especialidades que não existiam na província de Malanje. Pedro José António afirmou que, em termos de quadros do sector da Saúde, Malanje possui técnicos capazes em número muito aquém das expectativas, por não existirem concursos públicos, daí que, acrescentou, se torne difícil o enquadramento de mais especialistas formados localmente.
O sector da Saúde é reforçado este mês com 235 novos licenciados nas áreas de enfermagem e medicina, que se juntam a outros 45 médicos formados pela Universidade Lueji-a-Nkonde, no ano passado.

Tempo

Multimédia