Províncias

Instituto Agro-alimentar com aulas adiadas

Francisco Curihingana| Malanje

A falta de laboratórios e docentes especializados vai condicionar a abertura, no presente ano académico, do Instituto Agro-alimentar na província de Malanje, segundo o director da Escola Superior Politécnica.

No próximo ano académico a Escola Superior Politécnica de Malanje vai funcionar já em instalações próprias cedidas pelo Governo
Fotografia: WWW.JAIMAGEM.COM

Francisco Jacucha admitiu o arranque apenas no próximo ano académico, para permitir que sejam criadas as condições adequadas. “Nós pensávamos que este curso fosse aberto com uma turma e agregar a mesma à Escola Superior Politécnica, mas já não vai ser possível, devido às condições técnicas, concretamente a falta de laboratórios”, afirmou.
Uma comissão está a trabalhar no sentido de fazer com que no próximo ano académico o Instituto abra as portas para a comunidade malanjina, mas agora só estão disponíveis os cursos de Turismo para a Escola Superior e Farmácia para o Instituto Superior Politécnico de Malanje, disse o responsável.
No presente ano académico, a Escola Superior Politécnica de Malanje vai funcionar já em instalações próprias, cedidas pelo Governo Provincial.
O gesto é considerado pela direcção da Escola Superior Politécnica como uma das maiores conquistas, pois, como referiu Francisco Jacucha, “tal representa um dos maiores ganhos do ensino superior, uma vez que vai permitir o desdobramento das turmas, permitindo aulas no período laboral”.
Os estudantes que concluíram o ensino médio e aqueles que não têm a possibilidade de fazer o pagamento das propinas vão ser enquadrados no período laboral. A estrutura cedida pelo Governo Provincial, que vai acolher os cursos de Pedagogia, Psicologia, Matemática, Sociologia e Turismo compreende 28 salas, das quais duas em cada compartimento vão ter laboratórios.
Um campo gimnodesportivo está a ser preparado. Os trabalhos encontram-se em fase conclusiva, tendo sido já colocado o tecto e pelo andamento das obras, tudo indica que até à véspera do arranque do ano académico a escola esteja à disposição.
O facto de a escola se encontrar localizada a dez quilómetros do centro da cidade, no bairro da Vanvuala, não deve constituir preocupação aos estudantes, porque, de acordo com Francisco Jacucha, “as condições de segurança estão salvaguardadas. O Governo Provincial está atento a esta situação e estão acauteladas todas as situações, desde a segurança, energia, água, para oferecermos melhores condições aos nossos estudantes. Antes partilhávamos a escola com o ensino geral e agora estamos em melhores condições de oferecer maior comodidade aos nossos estudantes”.

Concorrência nos cursos

Francisco Jacucha apontou que os candidatos optam na sua maioria pelos cursos de Psicologia, Sociologia, Pedagogia e agora o de Turismo, que vai começar no presente ano académico, abandonando a Matemática.
Até ao momento, foram já inscritos 1.986 candidatos nos diferentes cursos. As inscrições continuam até ao dia 28 de Janeiro.
A Escola Superior Politécnica de Malanje está a inscrever candidatos oriundos de todas as províncias do País, incluindo dois do Brasil e outros do Congo Democrático. O facto deve-se às boas referências da Instituição, assim como à paz que o país alcançou desde 2002.
O curso de Turismo, a abrir este ano, com 60 candidatos, tem garantido o corpo docente, entre cubanos e angolanos. Os docentes cubanos começam a chegar a Malanje nos próximos dias.

Tempo

Multimédia