Províncias

Localização privilegiada para armazenamento de produtos

Sérgio V.Dias|

Segundo dados colhidos pelo Jornal de Angola, os gingas e os bondos, povos nativos da região, na busca dos seus direitos costumeiros, guerreavam-se entre si, constantemente.

Mercado Provincial de Malanje está situado no bairro da Catepa onde se projecta as futuras centralidades
Fotografia: Dombele Bernardo

Segundo dados colhidos pelo Jornal de Angola, os gingas e os bondos, povos nativos da região, na busca dos seus direitos costumeiros, guerreavam-se entre si, constantemente. Este factor facilitou, sobremaneira, a fixação dos portugueses em Malanje, apesar de várias revoltas dos donos da terra contra os invasores. Os portugueses concretizaram assim a ocupação em 1839. Outros dados dão conta que, em 1852, a povoação de Malanje possuía um comércio funcional, facto que permitiu, em 1857, ser elevada à categoria de vila e sede do concelho com o mesmo nome.
Em 1895, foi criado o distrito da Lunda, cuja sede passou para Malanje, em 1896, por ordem do então governador Veríssimo Sarmento. A vila de Malanje teve um papel de destaque como ponto de apoio de campanhas militares das tropas coloniais na Baixa de Cassange. Em 1908, concluía-se a construção do caminho-de-ferro que ligava Luanda a Malanje e que impulsionou a actividade económica da vila.
Malanje, em tempos idos, constituía um ponto obrigatório para as comitivas de carregadores que, das feiras de Cassange e Lunda, se dirigiam ao Dondo.
Com uma superfície de 2.222 quilómetros quadrados, Malanje, a cidade capital da província com o mesmo nome, tem duas grandes comunas: Kambaxe e Ngola Luíge.
A Norte, este ponto da província é limitado pelo rio Lombe e a Sul pelos rios Kuije, Luximbe e Luhanda. A Este, a cidade que hoje completa 80 anos de existência limita-se pela comuna de Mufuma e a Oeste pelo rio Kwanza, o maior dos que cruzam o país.
Relativamente a bairros, o município sede da província da Palanca Negra agrega no seu seio 17. Trata-se do Bairro Azul, Barreiras, Campo de Aviação, Carreira de Tiro, Canâmbua, Centro da Cidade, Kangambo, Kafuco-Fuco, Kaála, Katepa, Kizanga do Bango, Kizanga da Barraca, Maxinde, da Polícia, Ritondo, Sambizanga e Vila Matilde.
Malanje conta ainda com as povoações do Mvula Ngombe, Ngondo, Kissol, Kamatete, Zela, Cambondo, Kastembale de Cima, Kastembale de Baixo, Kamibafu, Kazundo, Kulamuxitu, Kassucina, Kassembele, Kinguila e de Kifukussa Bande.
Juntam-se a estas Kambundi do Kuije, Kissaco, Quéssua, Kibinda, Kamatende, Karianga, Karianga do Kuije, Kuije, Cambondo do Kuije, Katombe de Cima, Katombe de Baixo, Vanvala de Cima, Vanvala de Baixo, Kamakondeca e do Kamibafu.
A sua situação geográfica faz com que se torne num município privilegiado, quer do ponto de vista de localização, quer no enquadramento direccionado ao armazenamento e ao escoamento dos mais variados produtos.

Tempo

Multimédia