Províncias

Mais vigilância à Palanca Negra

Filipe Eduardo e Luísa Victoriano | Malanje

O Parque Nacional da Cangandala, em Malanje, vai passar, em breve, a ter melhores condições de habitabilidade para palanca negra gigante, garantiu o director provincial do Ambiente.

Combate cerrado aos caçadores furtivos que teimam em abater as espécies
Fotografia: Genivaldo da Fonseca | Malanje

João Miguel Correia falava a propósito da visita efectuada pelo governador de Malanje ao santuário da palanca destinada a avaliar a situação no terreno, depois de um caçador furtivo ter abatido uma fêmea daquela espécie.
Norberto dos Santos alertou os seguranças para a necessidade de protegerem o local e realçou o importante papel que têm desempenhado na protecção da palanca negra gigante, uma espécie em vias de extinção e apenas existente em Angola.
“Os fiscais tiveram a coragem de deter o caçador furtivo que matou uma palanca. Foi uma acção positiva, porque se um dia acabarem com esta espécie isso vai ser uma vergonha para o país”, realçou.
O que se pretende, acrescentou, não é apenas cuidar da espécie, mas também estimular a reprodução e fazer com que  a palanca negra seja vista e preservada como uma jóia.
Em relação às queimadas a­nár­quicas que ocorrem no município, Norberto dos Santos manteve uma conversa com as autoridades tradicionais locais na aldeia de Cassache, no sentido de sensibilizarem as populações no sentido de não o fazerem.
Aproveitou, ainda, a oportunidade para conversar com as autoridades tradicionais sobre a necessidade de se agruparem as aldeias, uma acção que está a ser levada a cabo em todos os municípios da província. O objectivo é permitir ao Governo Provincial fazer a distribuição organizada e coerente dos serviços básicos à população, desde a água potável, educação, saúde, entre outros.

Alfabetizadores em acção

Mais de 50 pessoas dos 14 municípios de Malanje estão agora melhor preparadas para dar aulas de alfabetização, depois de terem participado no primeiro ciclo de formação de formadores sobre o método “Sim, eu posso”, que teve como objectivo facilitar a aprendizagem dos alunos, no âmbito do Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar, levado a cabo em todo o país pelo Ministério da Educação.
A acção formativa durou três dias, sob orientação de especialistas cubanos. Foram abordados temas teóricos e práticos, relacionados com o método “Sim, eu posso” dos módulos 1,2 e 3 do ensino primário, educação de adultos e ensino geral.
O assessor do Ministério da E­ducação para a área de alfabetização da cooperação cubana, Alfredo Fuentes, disse que a formação vai facilitar e dinamizar o processo de aceleração escolar e melhorar as técnicas de ensino de adultos.
O método “Sim eu posso”, usado em 28 países, está a facilitar a aprendizagem de muitos adultos.
O director provincial da Educação, Ciências e Tecnologia disse que o país e a província de Malanje, em particular, têm vindo a registar progressos significativos no combate ao analfabetismo. Gabriel Boaventura garantiu que este método, adoptado pelo Ministério da Educação em todo o território nacional, está a permitir reduzir os níveis de analfabetismo, a melhorar a vida da população e a combater a fome e a pobreza.

Tempo

Multimédia