Províncias

Malange regista mortes por problemas cardíacos

adelino Ngunza| Malange

Pelo menos quatro pessoas morreram de hipertensão arterial durante os primeiros meses deste ano no Hospital Geral de Malange, segundo revelou o director clínico da instituição, José Ribeiro.

População está a ser sensibilizada no sentido de controlar a tensão arterial
Fotografia: Santos Pedro

Pelo menos quatro pessoas morreram de hipertensão arterial durante os primeiros meses deste ano no Hospital Geral de Malange, segundo revelou o director clínico da instituição, José Ribeiro.
José Ribeiro disse que o hospital diagnosticou 45 casos desde o princípio do ano, tendo ressaltado que a hipertensão arterial se manifesta através de sintomas, como a cefaleia, conhecida vulgarmente por dores de cabeça, palpitações, insónias e dores do coração.
Ao falar das causas, o director clínico disse que a hipertensão arterial é uma doença caracterizada por um aumento contínuo dos valores da pressão arterial acima de 139/89 milímetros de mercúrio (mmHg) e considerado como um dos problemas mais frequentes de saúde pública no mundo, sobretudo na população urbana.
A hipertensão, em geral, se comporta de forma assintomática, ou seja, com complicações graves e letais se não for tratada a tempo, disse o médico, que explicou que o aumento da pressão arterial resulta do aumento do volume cardíaco ou da resistência vascular periférica e evolui com a contractilidade e a frequência cardíaca, enquanto no segundo, resulta de factores hormonais, neuronais e de auto-regulação.
José Ribeiro esclareceu que a hipertensão arterial, de maneira silenciosa e ao longo do tempo, produz alterações hemodinâmicas, macro e micro vasculares, causadas por disfunção do endotélio (mucosas das artérias), e alterando a parede das arteriolas de resistência, responsáveis em manter o tônus vascular periférico.
Disse ainda que estas alterações produzem lesões orgânicas específicas. Podem originar a redução de peso, produzir os enfartes e insuficiência cardíaca, provocando a edema aguda e a insuficiência renal aguda ou crónica/hemodiálise, o AVC (Ataque Vasco Cerebral) trombótico ou hemorrágico.
Como resultado da falência multiorgânica, ela pode resultar na morte fatal do indivíduo, lamentou o médico José Ribeiro.
Interrogado sobre as causas, o médico especializado em clínica geral disse serem várias, destacando a obesidade, diabetes, sedentarismo e dieta não saudável.
Enumerou igualmente outras classificações técnicas e causas que são a hipertensão arterial essencial, hipertensão arterial secundária e de causa endocrinológica.
O médico clínico disse que as acções de prevenção devem ser direccionadas sempre na perspectiva de diminuir a hipertensão, observando sempre alguns critérios, como a prática da actividade física (aeróbica), manter o peso compatível com a altura, reduzir ao máximo o consumo de álcool e do sal, privilegiar o consumo da banana, que é rica em potássio, e evitar gorduras animais e o uso de tabaco.

Tempo

Multimédia