Províncias

Malanje reforça acções de combate à malária

Venâncio Víctor | Malanje

Um total de 604.700 mosquiteiros impregnados começam a ser distribuídos a partir do dia 16 deste mês, nos 14 municípios da província de Malanje, no âmbito de uma campanha porta-a-porta de combate contra a malária, anunciou ontem o gestor nacional da actividade, Marcelino Yango.

Estão em curso campanhas de registo dos agregados familiares e de sensibilização sobre a importância do uso correcto dos mosquiteiros
Fotografia: Angop

O gestor nacional da campanha de distribuição de mosquiteiros, que confirmou a presença do ministro da Saúde, Luís Gomes Sambo, na cerimónia de lançamento oficial do evento, avançou que a acção é realizada pela organização não-governamental Serviços Internacionais para a População (PSI), em colaboração com o ministério de tutela e pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).
O técnico da PSI-Angola explicou que o lançamento oficial do projecto está a ser antecedido pela realização de acções de recrutamento e formação de mobilizadores de combate à malária, que deve abranger um universo de 1.050 indivíduos ao nível da província.
Marcelino Yango disse que as acções de formação decorrem em simultâneo em toda a província de Malanje, com excepção nos municípios de Luquembo, Quirima, Quela e Cacuso, onde se registaram ligeiros atrasos devido a dificuldades de transporte e do crescimento populacional.
O gestor avançou que a campanha tem como objectivo a distribuição de mosquiteiros em toda a extensão da província de Malanje, podendo atingir o número da população resultante do último Censo Geral da Habitação e da População, de formas a reduzir os casos de doença e mortes por malária, uma das principais causas de mortalidade em Angola, principalmente em crianças menores de cinco anos e em mulheres grávidas.
Marcelino Yango acrescentou que, neste momento,  estão formados 460 mobilizadores, que  trabalham ao nível da cidade de Malanje na sensibilização e registo porta-a-porta dos agregados familiares sobre a importância do uso correcto do mosquiteiro. A terceira fase do projecto de formação, com termo previsto para terça-feira, abrange mais de 106 novos mobilizadores na cidade de Malanje. As acções formativas estão a ser ministradas por 28 formadores, distribuídos a nível da província de Malanje.

Outras partes do país

Além de Malanje, Marcelino Yango informou que a campanha é desenvolvida, durante dois meses,  nas províncias do Cuanza Norte, Cuanza Sul, Zaire e Uíge.
O gestor da campanha nacional de distribuição explicou que após o lançamento oficial da campanha seguir-se-á  a distribuição dos mais de 600 mil mosquiteiros em determinados pontos da província de Malanje.Ao nível dos municípios do interior, as campanhas de sensibilização porta-a-porta dos agregados familiares  sobre o uso correcto do mosquiteiro e, consequentemente, o seu registo, tiveram início nos municípios sede, Kiwaba Nzonje e de Cangandala.
Marcelino Yango disse que, para o êxito do processo, foram adoptadas estratégias consubstanciadas na criação de três grupos de mobilizadores, designadamente de comunicação porta-a-porta, de ensino sobre as regras básicas do uso correcto da rede mosquiteira e de registo dos agregados familiares. Aqui, os técnicos entregam um cartão ao beneficiário. “Um outro grupo fixo de mobilizadores vai estar instalado em locais indicados, para a recepção dos cartões e distribuição dos mosquiteiros às pessoas cadastradas”.

Combate ao tabu

Marcelino Yango lamentou o facto de se registarem ainda muitos casos de tabus no seio da população, relativamente ao uso do mosquiteiro, sem contudo terem em conta os benefícios do material, que é o de salvar vidas. “Algumas pessoas alegam que o uso do mosquiteiro aumenta a temperatura, além de outros efeitos negativos à saúde humana, o que contraria os estudos feitos sobre as vantagens do material”.
Para se atingir as zonas de difícil acesso da região, Marcelino Yango disse que estão a ser utilizados meios alternativos, como motorizadas e bicicletas.
Marcelino Yango exortou a população da região a aderir à campanha e a receber bem os mobilizadores, assim como pediu aos beneficiários para evitarem a utilização indevida dos mosquiteiros, como em actividades de pesca e da agricultura.
Sendo a província Malanje uma  região hiperendémica ou de alto risco de transmissão da malária, Marcelino Yango pediu que, além da distribuição dos mosquiteiros impregnados, se melhore o saneamento básico das zonas residenciais e de outros locais de reprodução do mosquito.

Tempo

Multimédia