Províncias

Malanje tem ração garantida para aquicultores da região

Venâncio Victor | Malanje

As dificuldades que as cooperativas de aquicultores em Malanje enfrentam na aquisição de ração vão ser minimizadas nos próximos tempos, com a entrada em funcionamento de uma empresa que se encarrega do fornecimento do produto.

A garantia foi dada pelo director provincial da Agricultura, Carlos Chipoia, no termo de uma visita do governador provincial, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, às cooperativas de aquicultores dos bairros da Kizanga, Barraca e Suingue, arredores da cidade de Malanje.
“A ração continua a ser um problema, mas temos vindo a negociar com uma empresa que passará a fornecer o produto importado para a província. Vamos distribuir aos aquicultores”, disse o director, referindo que há intenção do Ministério das Pescas construir uma fábrica do referido produto na região.
No bairro da Quizanga, o governador de Malanje visitou as cooperativas de aquicultores “ Chuta Fome e Povo a Crescer, que dispõem de 47 tanques com capacidade para 250 e 350 peixes tilápia cada.
O projecto gerou emprego a cerca de 200 pessoas. As duas cooperativas estão igualmente voltadas para a produção agrícola, tendo sido já cultivadas dez hectares de produtos, como a mandioca, ginguba, batata-doce, milho, bananal, entre outros. O responsável da associação Chuta Fome, Ronaldo Mulongo, satisfeito pelo trabalho que está a ser desenvolvido, garantiu que a produção dos primeiros sete tanques começa a ser comercializada nos próximos dias.
Na cooperativa Katheu, no bairro Suingue, o projecto conta com dez tanques mais a intenção é atingir os 50, com capacidade para a produção de dois mil cada, segundo a responsável Joana César.
O governador provincial de Malanje elogiou as iniciativas individuais das cooperativas que se juntam aos esforços do Governo que quer ver desenvolvidos projectos idênticos na província. Sublinhou que o fomento da aquicultura pode contribuir para a auto-suficiência alimentar das populações.
O director provincial da Agricultura disse que na província há 41 iniciativas privadas de aquicultura, com tendência comercial e 27  cooperativas comunitárias que abrangem um universo de 1.408 cooperativista, de um total de 197 tanques, além de 128 gaiolas.
Carlos Chipoia realçou o lançamento recentemente pela Sociedade de Desenvolvimento do Pólo Agro-Industrial de Capanda (SODEPAC) de um projecto que conta com 100 gaiolas.
Com tais projectos, acrescentou Carlos Chipoia, o Governo Provincial pretende alcançar, no próximo ano, metas propostas para Malanje no domínio da aquicultura.

Tempo

Multimédia