Províncias

Malária e cólera causam muitas perdas de vida

Adriano Sapalo|Malanje

A malária, cólera, febre tifói-de, doenças diarréicas e respiratórias agudas e o sarampo continuam a ser as principais  causas de morte nas unidades sanitárias da província  de Malanje, disse on-tem o governador provincial, Norberto  dos Santos “Kwata Kanawa”.

Fotografia: DR

O governador que falava durante um  encontro provincial dos Agentes de Desenvolvimento Comunitário e Sanitário (ADECOS), na condição de coordenador deste órgão, informou que no ano em curso foram registados 67 mil e 346 casos de malária em toda província, dos quais resultaram em 79 óbitos. 
Em 2017, segundo Kwata Kanawa, 64 pessoas morreram de malária, dos 32 mil e 429 casos registados.
Kwata Kanawa disse que as  autoridades sanitárias na província têm contribuido grandemente para o combate às grandes endemias  que assolam às populações locais, apontando como exemplo os Agentes de Desenvolvimento Comunitário e Sanitário. “ A criação da ADECOS se apresenta como uma resposta do Executivo angolano à expansão dos serviços so-ciais nas comunidades,  e o estimulo ao crescimento das localidades mais vulneráveis”, referiu.
O governante explicou que a primeira fase de implementação dos Agentes  de Desenvolvimento Comunitários está fundamentalmente ligada a promoção da saúde comunitária, a realização de  campanhas de sensibilização que visam à mudança de comportamento das populações,  bem como  o tratamento da malária simples em mulheres grávidas e crianças menores de 5 anos.
Disse ainda que a política dos  referidos agente consubstancia-se no acompanhamento das actividades das autoridades das cominidades. “Este órgão tem sensibilizado às populações para adoptarem  medidas de prevenção de doenças como a malária, diarreias , sarampo, etc”, sublinhou.
Os Agentes de Desenvolvimento Comunitário e Sanitário funcionam  na província de Malanje nos municípios de  Cacuso, Calandula, Mucari, Quela e na cidade capital, Ma-lanje . No resto do país, o ADECOS também presta apoios aos governos do Uíge, Bengo, Mo-xico, Lunda-Norte e Luanda.

Tempo

Multimédia