Províncias

Maternidade regista cinco nados mortos

 Um total de cinco nados   mortos, resultantes de 88 partos, foram registados durante o último fim de semana, na maternidade do hospital provincial materno infantil de Malanje, em consequência da chegada tardia das parturientes à unidade hospitalar.

Fotografia: Paulo Mulaza|Edições Novembro


A informação foi prestada ontem à Angop pela chefe do banco de urgência do  hospital, Catarina da Glória, precisando que as mortes em causa foram essencialmente devido à chegada tardia das mulheres grávidas aos serviços de parto.
Catarina da Glória explicou ainda que muitas mulheres grávidas  optam por ter o bebé  em casa , sem os devidos cuidados, “o que constitui perigo a vida do recém-nascido e da própria mãe”.
Quanto às ocorrências, Catarina da Glória realçou que foram atendidas 153 pacientes (menos 31 comparativamente ao período anterior), com diferentes patologias, dos quais 85 em consultas de ginecologia e obstetrícia, para além do paludismo, malária complicada e ameaças de abortos.
  Catarina da Glória informou que dos 88 partos realizados, 21 envolveram adolescentes e 11 ocorreram por cesariana.
Por sua vez, o banco de urgência de medicina, segundo o chefe-adjunto Pedro de Brito, atendeu 195 casos (mais 15 comparativamente ao período anterior), dos quais 107 de malária, 44 de doenças cardiovasculares, 40 de hipertensão, dois acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos e um caso de insuficiência cardíaca.
O banco de urgência de pediatria do hospital provincial de Malanje atendeu 319 casos, com destaque para 16 de paludismo e anemia severa, 26 de malária grave, cinco de febre tifóide,  seis de doenças respiratórias agudas, de acordo com a chefe da unidade, Eva Bernardo.

Tempo

Multimédia