Províncias

Mudanças climáticas acabam com espécies

Venâncio Victor | Malanje

As mudanças climáticas constituem a principal causa da desflorestação e extinção de várias espécies animais e vegetais, disse o responsável do departamento provincial de Malanje do Ordenamento do Território, Urbanismo e Ambiente.

População é aconselhada a evitar as queimadas que estão na base da desertificação
Fotografia: Samy Manuel

Jorge Pascoal, que falava durante uma palestra subordinada ao tema “Desflorestação e Impacto Ambiental”, dirigida especialmente aos habitantes do bairro Kulamuxito, pediu aos jovens, bem como aos pais, que participem na educação e sensibilização da população sobre os efeitos das queimadas, que estão “na base de muitos males como extinção de espécies  e a desertificação”.
“Se não tivéssemos a terra produtiva, flora e fauna, as pessoas acabavam por morrer”, disse.
As mudanças climáticas, insistiu, constituem uma ameaça à biodiversidade e as florestas tropicais são as mais susceptíveis aos seus efeitos. O orador declarou que “os ecossistemas florestais estão em perigo devido às mudanças climáticas e à presença do carbono na atmosfera.”, o que , entre outras coisas, os ciclos de água e o clima.
A desflorestação, referiu, afecta milhões de pessoas, sobretudo as que dependentes das florestas.
Jorge Pascoal também lembrou que incêndios em florestas e a desflorestação têm graves consequências ambientais, sociais e económicos e salientou a importância de se realizarem acções que evitem que tal aconteça.  Para ajudar a prevenir mudanças climáticas perigosas, disse, é preciso estabelecer medidas contra a desflorestação tropical O morador salientou a importância preservar a biodiversidade para milhões de pessoas que dependem dos recursos florestais.

Tempo

Multimédia