Províncias

Mulheres marcam presença nos cargos de decisão

Venâncio Victor |

O Executivo de Malanje, liderado por Boaventura da Silva Cardoso, mantém-se firme na conjugação de esforços atinentes à promoção da mulher na província.

A vice-governadora para o Sector Político e Social Alice Van-Dúnem é uma das mulheres de destaque na sociedade malanjina
Fotografia: Jornal de Angola

O Executivo de Malanje, liderado por Boaventura da Silva Cardoso, mantém-se firme na conjugação de esforços atinentes à promoção da mulher na província. O número de mulheres nos cargos de direcção a nível local é ainda insignificante, conforme assegurou à reportagem do Jornal de Angola a directora provincial do Ministério da Família e Promoção da Mulher (MINFAMU), Antónia Maiato dos Santos.
De acordo com a titular da pasta da Família e Promoção da Mulher, Antónia Maiato dos Santos, a província não possui sequer 30 por cento desta franja nos cargos de direcção.
A responsável afirmou que o Executivo está a redobrar esforços visando a emancipação da mulher na região, apontando, para isso, “que urge a necessidade da sua formação contínua para que possam estar habilitadas a exercer cargos de chefia”. Antónia Correia Maiato dos Santos disse, a título de exemplo, que a nível provincial conta-se o número de mulheres nos cargos de decisão.
Destacou entre o leque de mulheres que neste momento ocupam cargos de relevo a vice-governador para o Sector Político e Social, Alice Van-Dúnem, as directoras da Saúde, Lazina Vera Cruz, do Ministério da Assistência e da Reinserção Social, Isabel Roque, e algumas administradoras municipais e comunais.
Antónia Maiato enalteceu a colaboração de algumas instituições, como é o caso das Direcções de Investigação Criminal e do Ministério Público, para a materialização das acções traçadas pelo MINFAMU na região.
A violência doméstica é um mal que tende a atingir proporções alarmantes em Malanje, dado o facto de as pessoas não aderirem aos centros de aconselhamento, como disse. “A implantação do ensino superior em Malanje, particularmente os cursos de medicina, de pedagogia, passa a constituir um trampolim para a emancipação da mulher na sociedade malangina e para o processo de reconstrução em curso no país”, realçou.
Segundo apurou ainda a reportagem do Jornal de Angola, a Direcção do MINFAMU recebe em média 100 casos relacionados com violência doméstica na província.
Para se combater este mal é necessário que haja famílias cada vez mais estruturadas, num processo que deve envolver a participação de psiquiatras e juristas, já que, como ressaltou, “a cada dia que passa vão surgindo casos bastante complexos”. Lazina Vera Cruz, directora da Saúde disse que o papel da mulher tem vindo a ganhar cada vez mais espaço. Relativamente a Malanje, a responsável disse ser necessário incentivar alguns gestores públicos para a promoção do género na região.

Tempo

Multimédia