Províncias

Novo mercado no bairro da Catepa

Venâncio Victor e Sérgio V. Dias | Malange

O governador de Malange, Boaventura da Silva Cardoso, inaugurou, sábado, o mercado provincial no bairro da Catepa, com capacidade para albergar 1.472 vendedores.

Vendedoras e compradores na província de Malange têm melhores condições de higiene e segurança para as trocas comerciais
Fotografia: Eduardo da Cunha

O governador de Malange, Boaventura da Silva Cardoso, inaugurou, sábado, o mercado provincial no bairro da Catepa, com capacidade para albergar 1.472 vendedores. Boaventura Cardoso referiu que o mercado vai conferir melhores condições de trabalho, de higiene e segurança às mulheres quitandeiras da região.
A construção do empreendimento, de acordo com Boaventura Cardoso, “foi graças aos esforços do Presidente da República, Engenheiro José Eduardo dos Santos, que viabilizou a criação do Programa de Reestruturação de Sistema de Logística e de Distribuição de Produtos Essenciais (PRESILDE). Segundo o chefe do executivo malangino, o programa referenciado foi concebido com o objectivo de modernizar e organizar a actividade comercial em todo o território nacional.
Boaventura Cardoso lembrou ainda “que as condições que oferecia o antigo mercado da Xauande eram lastimáveis. Não dispunha de condições de higiene e de meios de segurança, tanto para os vendedores como para os consumidores”. 
O governador disse também que, para além de não oferecer condições adequadas para o exercício da actividade comercial, a zona onde estava o mercado da Xauande registava uma crescente onda de roubos e de frutos e que os vendedores não estavam seguros pelo facto de o mercado se situar junto da linha do Caminho de Ferro de Luanda. Boaventura Cardoso lembrou ainda que, para além do mercado da Catepa, foi construído outro no bairro Cangambo, cujas obras estão na sua fase final.
O novo mercado de Malange, situado na Catepa, para além das 1.447 bancadas, conta ainda com outras dependências, como cinco armazéns, padarias, um centro médico, uma creche para acolher filhos de vendedoras, três “snack bar”, sistema de captação e distribuição de água, fábrica de gelo, 17 casas comerciais, três das quais destinados aos bancos.

Tempo

Multimédia